20 agosto 2007

Arquitetura Vastu.



Michael Borden

Em fevereiro/março de 1998, viajei a Madras, Índia, para estudar o princípios da ciência Vastu aplicados à arquitetura. Por meio de meu trabalho e pesquisa nos três anos anteriores, eu tomara conhecimento de uma tradição de arquitetura sagrada que, segundo se dizia, fundamentava-se em princípios básicos das leis da natureza. Naquela época, eu fora comissionado para projetar dois edifícios que seguiam o que meus clientes chamaram arquitetura Sthapatya Védica. Pediram que eu trabalhasse diretamente sob a orientação de um projetista na Europa. Fui orientado por este projetista a criar uma planta baixa e uma planta alta seguindo certos princípios básicos de distribuição de cômodos, a seguir deveria enviá-las a ele para revisão.
O processo de projeto e revisão prolongou-se por várias semanas até chegarmos a uma construção condizente com as disposições de cômodos, incluindo dimensões muito precisas, se bem que estranhas, relativas às plantas baixa e alta. Fui instruído a insistir que as dimensões fossem integralmente seguidas à medida que se erguesse a construção, até um oitavo de polegada. Eu estava muito interessado em entender os princípios de projeto e a filosofia por trás do projeto, então solicitei mais informações ao perito em Sthapatya Védica. Para minha grande decepção, ele me comunicou que não estava autorizado a passar as informações que eu queria.
Comecei então a procurar informações sobre arquitetura Sthapatya Védica. Descobri que havia vários volumes de literatura indiana antiga, bem como moderna, dedicados ao assunto. Quando examinei os livros, achei-os bem confusos. Dei-me conta de que precisava encontrar um professor, então freqüentei um seminário de fim de semana sobre o assunto dado por um projetista da Índia, Narajan Babu. Novamente, as informações básicas em si não foram apresentadas.
Afinal achei um arquiteto na Índia que supostamente era perito nesta tradição de conhecimento. Certa noite, assisti a uma dança sagrada indiana, e na introdução da performance a dançarina nos disse que dançara numa conferência sobre arquitetura Sthapatya Védica no sul da Índia. Depois da performance, perguntei à dançarina se ela poderia me recomendar a um arquiteto especialista nessa tradição. Deu-me o nome do dr. V. Ganapati Sthapati de Madras, Índia. Fui ver o Sthapati (que significa "escultor especialista e projetista de construções") no dia seguinte. Ele me disse que estava construindo um templo no meio-oeste e visitaria o local dentro de uma semana. Tomei providências para ir ter com ele imediatamente.
Ganapati Sthapati nasceu em 1927 numa família cujos antepassados construíram o grande templo em Tanjore no século 10. Aprendeu sua arte com seu pai e tio, começando como aprendiz de escultor, passando a escultor mestre e projetista de templos. Passou 27 anos como diretor da Faculdade Estatal de Arquitetura e Escultura de Mahabalipuram, Tamil Nadu. Ele é responsável pelo ressurgimento significativo da Índia no campo da antiga arte de escultura em pedra. Depois de se aposentar em 1988, continuou a construir templos e fundou a Fundação de Pesquisa Védica Vastu para explorar as origens antigas dos artesãos de templos.
À medida que era conduzido à presença de Sthapati, reparei que os trabalhadores indianos que estavam construindo o templo tratavam o homem com extremo respeito. Nossa entrevista durou aproximadamente uma hora. Mostrei-lhe meus projetos de residências e ele riu enquanto os criticava. Disse que arquitetura era música congelada e que uma construção poderia ser uma expressão de harmonias agradáveis e poderosas. Fez esboços em meus projetos, mencionando algo chamado purusha mandala Vastu. Falou sobre a possibilidade de uma construção ser um gerador de coerência, sintonizando os ocupantes com as leis do universo e aumentando a saúde, riqueza e bem-estar espiritual. Disse que uma construção era um organismo vivo, como o sistema nervoso humano, podendo ser projetada em ressonância harmônica com a estrutura de energia subjacente básica do universo.Mas mais do que suas palavras, sua presença, sua confiança, seu entusiasmo e amor à sua arte me disseram que ele era um homem que vivia sua verdade. No final de nosso encontro, perguntei-lhe se eu poderia vir para a Índia estudar com ele. Pareceu um pouco surpreso, na verdade, mas me deu boas-vindas para ir.
Tomei providências para ficar em Madras durante seis semanas estudando. Duas ou três vezes por semana ele me encontrava durante a maior parte da manhã. Começou por estabelecer a filosofia fundamental da ciência Vastu. A seguir passamos à aplicação da filosofia à arte e arquitetura. Ele me fez projetar construções, residenciais a princípio, então comerciais, que seguiriam as regras gerais da ciência. Quando fui embora da Índia, ele me disse que eu dominara as regras básicas de projeto Vastu e que deveria projetar estes edifícios nos EUA. Combinamos nos encontrar novamente em 1999 durante três meses, de forma que eu pudesse desenvolver minha compreensão estudando as particularidades do projeto de templos. Retornarei em setembro de 1999.


FILOSOFIA
Ganapati Sthapati sustenta que uma figura histórica, Mayan, um arquiteto e projetista de cidades da Índia antiga, foi a fonte da ciência Vastu. Foi o autor de Mayamata Vastu Shastra (tratado sobre construção e arquitetura) e também Surya Siddhanta (tratado sobre astronomia). Estes trabalhos ainda são usados pelos estudiosos e profissionais em toda a Índia.
"Mayan era adorado como ‘Viswakarma’ por Veda Vyasa em seu Mahabharata [um dos textos sagrados mais célebres da Índia], por aí se deduz que Mayan tinha conhecimento da dinâmica do espaço, sendo capaz de aplicar a mecânica do espaço às suas próprias criações, transformando-as em pequenos universos na Terra. Tudo quanto ele era capaz de criar em termos visuais, fosse uma escultura, construção ou cidade ou plano de uma cidade, [essas criações] se comportavam como organismos vivos e pulsavam com vida....Ele foi o grande cientista da Índia que identificou e quantificou a vibração do espaço que envolve a Terra e os corpos celestes, e que habita também cada um dos objetos da natureza.
"A planta do projeto de um templo ou construção residencial é tecnicamente chamada Vastu purusha mandala, com uma malha de 8 x 8 = 64 espaços ou 9 x 9 = 81 espaços de dimensões iguais. Na terminologia arquitetônica moderna, ela pode ser considerada uma malha de energia. Estas plantas são quadrados, em termos bidimensionais, e cubos, em termos tridimensionais. Essas duas plantas constituem a fórmula geométrica do silpi (escultor ou arquiteto) para replicar a substância sutil do universo em forma visual, material. Essa é a fórmula dada pelo Deus Viswarkarma, o criador do universo, para transformar seus próprios pensamentos em formas materiais. Essa fórmula é expressa num dizer simplista: ‘Vastu reva Vaastu,’ que significa ‘é o sutil que se transforma no concreto.’ Aqui Vastu é energia sutil e Vaastu é energia corporificada. Isto foi descoberto e posto nos textos de Vaastu por Mayan.
"A tradição científica de Vaastu considera que Shakti (energia) a tudo impregna e é a substância originadora de todas as manifestações dos fenômenos visuais e auditivos [som] do universo....Pode-se comparar este fenômeno de Vastu e Vaastu ao ouro transformado em ornamentos de ouro, atuando o silpi como o agente da transformação. Além disso, a tradição Vastu reconhece este Vastu como habitante do espaço interior de seres individuais, bem como do espaço exterior, o ser universal.
"O espaço luminoso...impregna todo o universo. É o espaço supremo no qual se encerram o tempo absoluto e a energia absoluta. É repleto de substância luminosa (vastu) composta de paramanu, as partículas diminutas de espaço...e possuindo energia. Paramanu tem basicamente forma quadrada e tridimensionalmente é cúbico. (É a matemática do Paramanu que é usada como padrão para todas as formas pelo silpi.) É...uma abstração de todos os fenômenos visuais e auditivos do universo, ou a forma suprema. O espaço luminoso é supersensível, capaz de adquirir consciência de si mesmo e de vibrar em objetos dos quais está consciente. Esta ação faz parte de sua natureza intrínseca, [sendo] responsável pelas formas que ocorrem no espaço interior de pessoas e também no espaço exterior do universo. O espaço vibra, tornando-se forma, e é sensível o suficiente para ordenar estas vibrações em ritmos, evoluindo nas formas desejadas, ritmicamente estruturadas e esteticamente fascinantes.
"Esta força ou vibração aplicada do espaço é chamada kala. Kala significa literalmente ‘o que surge de dentro’....Em arte, kala se torna tala (ritmo medido)...A medida de kala é produzida pela dançarina ao bater o pé no chão....Tala é ritmo, um tempo-espaço bem definido....A medida de tempo rítmica produz formas musicais. As composições poéticas também são regidas pela medida de tempo...Os princípios básicos da criação de formas ligadas ao ritmo são chamados Vastu Shastras (tratado sobre arquitetura e escultura).
"O tempo é interrompido nessas criações visuais do silpi. Elas se transformam em objetos eternos a significar os atributos da realidade suprema." O que é surpreendente lembrar neste contexto é que elas são as formas (padrões geométricos) do espírito, reproduzidas em sua própria escala de tempo. São as réplicas das formas sutis experimentadas no coração. São organismos vivos que ressoam com a Realidade Suprema.
Há muitos fatores em ação na criação de uma construção alinhada com princípios da ciência Vastu. Existem textos antigos com milhares de páginas prescrevendo em detalhes as necessidades de projeto de construções de forma genérica e também suas particularidades. Por exemplo, num texto, o Mayamata, são os seguintes alguns dos títulos dos capítulos: Locais de Moradia, Exame do Local, Posse do Local, Sistema de Medidas, Orientação, Oferendas, Cidades, Número de Andares e Dimensões, Assentamento das Fundações, A Base, Dimensões de Pilares e Escolha de Materiais, Entablamento, Marcenaria.
Em minha experiência, digerir, assimilar e aplicar as informações contidas nestes textos foi uma tarefa desanimadora. Iniciei estudos com Ganapati Sthapati na esperança de que ele atuasse como intérprete e filtrasse o conhecimento para mim, e foi o que fez. Saí de meus estudos com um corpo de conhecimentos equilibrado e aplicável.

PRINCÍPIOS BÁSICOS
O regime de projeto do arquiteto Vastu segue parâmetros específicos:

Considerações sobre Orientação e Localização. A seleção do local de uma construção é um fator muito importante na arquitetura Vastu. A Terra é considerada um organismo vivo na ciência Vastu: "Os shastras Vastu referem-se esta energia contida na Terra como Vaastu purusha. Purusha significa ‘energia sutil que impregna a Terra’ e vaastu é ‘o corpo material que evoluiu a partir da energia.’...Abstratamente, purusha nada mais é que uma substância sutil; Vastu (ou essência do universo sutil) significa ‘consciência ou percepção universal.’ A Terra é...um objeto material vivo suspenso em [um mar] de espaço e existindo como parte...do Ser Universal."
A inclinação geral do local é importantíssima. Um declive na direção leste, nordeste ou norte é considerado benéfico, tendo a situação oposta efeitos negativos sobre os ocupantes da estrutura. A partir de minha pesquisa, parece haver alguma relação com fluxos de água sobre e sob o local. Além disso, é considerada a posição da água no local ou em relação ao local, sendo o nordeste a melhor localização para uma massa de água. "Cercar um terreno com proporções aceitáveis também é importante. A razão é que quando vastas extensões de terra são limitadas por linhas de demarcação, elas adquirem uma forma. Ou seja, o informe assume uma forma. Assim que uma forma é criada, a qualidade flui ou a forma assume uma qualidade."
O solo é inspecionado buscando-se certas características desejáveis de cor, sabor, cheiro e composição. São realizados testes. Por exemplo, um teste consiste em cavar um buraco (de aproximadamente 60 cm x 60 cm), preenchendo-se a seguir o buraco com a terra retirada. Se a terra substituída encher o buraco e se derramar em volta, esse fato recomenda muito o local.
Considera-se muito benéfico permitir que vacas pastem no local durante algum tempo antes da construção. Uma recomendação particularmente boa para o local é se, durante sua permanência no local, as vacas e touros ficarem "amorosos."
De extrema importância é a orientação da estrutura em relação aos pontos cardeais da bússola. Segundo a ciência Vastu, o globo terrestre é coberto por uma rede de linhas de energia: um malha de energia. Essas linhas são semelhantes ao que conhecemos como linhas de longitude e de latitude. As linhas são "conduítes pelos quais a energia concentrada no centro da Terra vital sai fluindo e se distribui sobre a Terra. São também linhas de absorção de energias solares, lunares e estelares." A Terra pulsa de vida e irradia sua energia por meio deste sistema de malha. A ciência Vastu afirma que "todos os planetas estão suspensos ou mergulhados no oceano de espaço, a fonte de energia que sustenta todas as energias corporificadas, inclusive o homem e outros seres animados que vivem na Terra."
O conceito da malha de energia tem sido o elemento predominante da ciência Vastu na esfera dos projetos tradicionais relativos à arquitetura indiana. O projeto de construção é elaborado levando em conta uma malha de energia chamada Vastu purusha mandala. A malha típica é de 9 x 9, mas há muitas outras formas de malha tradicionais constituídas de números ímpares e pares. Esta malha pode ser composta de quadrados ou retângulos. Se for retangular, o lado maior deverá ser orientado no eixo norte/sul. Quando a planta da malha da estrutura é orientada segundo os pontos cardeais da bússola, diz-se que repousa exatamente sobre a malha de energia da Terra. (O estabelecimento da malha da construção exatamente segundo os pontos cardeais da bússola aplica-se a templos. Quanto a estruturas seculares, o melhor é girar a estrutura cerca de um grau ao norte do verdadeiro leste.)
Plano de construção sobre uma malha Vastu purushha mandala. Uma vez que o projetista estabelece a malha, pode dispor as paredes e pilares da construção sobre este padrão. "Esse procedimento estabelece um tipo de congruência ou harmonia geométrica com a malha terrestre. Se a malha da estrutura estiver em harmonia com a malha da Terra, então o espaço construído e a Terra respondem harmoniosamente, energeticamente. Se houver qualquer distorção, divergência ou deflexão nas linhas da malha da malha da construção proposta e na da malha da Terra, então diz-se que o espaço construído está em desarmonia com o sistema de malha de energia da Terra."
A ciência Vastu afirma que estamos ligados à Terra e constantemente expostos à energia por ela exalada. A meta é ficar em harmonia com esta energia. "Assim como nós, seres humanos, abrigamos em nosso coração um átomo de energia divina por meio do qual somos capazes de vibrar com a vida...a Terra também vibra a partir de dentro, enviando ondas de energia." O projetista Vastu produz harmonia entre as vibrações instituindo uma ordem matemática em particular.
Consideração da data de nascimento do cliente. "De acordo com a prática tradicional e a orientação shastraic (segundo a escritura)‚ a medida do perímetro da construção proposta deve ser auspiciosa e também condizer com o temperamento dos moradores da casa. Numa família indiana, a dona da casa goza de uma posição muito importante e digna. É considerada...a soberana de toda a casa....Desse modo a prática shastraic e tradicional prescreve a criação de outra forma orgânica chamada casa destinada a coexistir com a força espiritual da dona da casa e a aumentá-la. Ou seja, criar um ambiente dentro do espaço construído que vibre em harmonia com a vibração da dona de casa.O arquiteto tradicional...evoca a estrela de nascimento da dona da casa e aplica uma fórmula matemática chamada ayadi ganita por meio da qual decide o comprimento de onda da dona da casa (e da casa)....Este processo de levar em conta a estrela de nascimento se baseia no fato de que cada pessoa...nasce sob a influência de uma estrela que persiste ao longo de sua vida."
O conhecimento da ayadi é usado pelo projetista na determinação dos efeitos da estrutura física sobre a pessoa. O proprietário da casa nasce sob a influência de uma estrela de nascimento em particular. A construção é considerada um ser vivo e também tem uma estrela de nascimento. Os cálculos baseados na ayadi procuram harmonizar as energias criadas pela influência da estrela de nascimento da pessoa e as da construção. Quando essas energias são harmonizadas, o morador experimenta prosperidade material e bem-estar espiritual. Diz-se também que a ayadi é capaz de afetar o destino da pessoa.
O perímetro. O projetista deve examinar seis aspectos com respeito à matemática do perímetro:

Aya—renda
Vyaya—despesas
Yoni—direção indicativa do fluxo de energia
Vara—semana
Nakshatra—estrela
Amsa—qualidade
Todos estes aspectos são examinados, devendo ser positivos para que a pessoa que ocupa a construção prospere.

Quando o projetista tiver dimensionado um perímetro básico da construção, ele converte esta medida periférica numa unidade de medida prescrita. "Os shastras prescrevem certas medidas tais como hastas, vithastis, talas e angulas. Estas medidas não são arbitrárias, derivam, sim, da vibração do espaço universal....É na verdade o número (contagem vibratória) que estabelece a harmonia entre a pessoa e a casa onde mora."
O nº de hastas é o número básico usado e ajustado na análise matemática que prevê os efeitos da medida sobre o dono da construção. Trata-se do número que o projetista usa para estabelecer uma nakshatra (estrela de nascimento) para a edificação. A nakshatra fornece o comprimento de onda da edificação que deve harmonizar com o do dono. Há 27 nakshatras possíveis.
Posição das porta externas. Depois do estabelecimento da malha e suas medidas apropriadas, o arquiteto então dispõe as aberturas das portas externas da construção. Em geral, as portas se localizam no quarto módulo a partir do canto direito externo. Cada compartimento do padrão de malha abriga certa energia ou influência. Isto deriva de uma história encontrada no antigo Briha Sawhita:
"Um bhuta, uma força demoníaca, estava produzindo um grande alvoroço, espalhando-se por todo o vazio que é... normalmente chamado espaço celestial ou akasa. Os luminares celestiais, chamados devas, assustados com a forma monstruosa e o barulho estrondoso do bhuta, exerceram seu poder sobre ele e o empurraram para baixo. O demônio caiu ao chão com um estrondo, de cara na Terra. Os devas atacaram o demônio, ocupando várias partes do corpo para sujeitá-lo. O demônio, incapaz de se safar do peso dos devas, rezou ao Senhor Shiva com a cabeça virada para o quadrante nordeste. As orações foram recebidas e Senhor Shiva conseguiu a libertação do demônio, obsequiando-o por sua fidelidade: ele seria a deidade guardiã das formas construídas e seria venerado por todos os seres humanos como tal.
"Além disso, diz-se que este demônio chamado Vastu Bhuta mora na estrutura do quadrado do Vastu purusha mandala, com seus membros dobrados e ocupando todo o espaço. Encerra-se nesta história mitológica a abstração do espaço e suas características em miniatura, significando também, indiretamente, que este espaço em miniatura é a primeira forma manifesta da energia primitiva não manifestada do universo. O fato de os devas ocuparem as várias partes do corpo representa as várias leis da natureza em ação em seu devido lugar, seqüência e relação para que ocorra a manifestação. Ou seja, o Vastu purusha mandala é um modelo ou padrão exato encontrado em todas as fases e níveis de manifestação universal.
"Os seres celestiais tais como Surya, Agni, Varuna, Vaya, Kubera e outros são levados ao complexo do projeto Vastu purusha mandala...representando as forças da natureza que assumiram forma material. Todas as formas manifestas do não manifestado que inundam o universo apresentam certas características específicas de bem e mal. A natureza bruta, bem como a natureza sutil, não estão livres de características positivas e negativas. Por exemplo, um vento, quando brando, proporciona um efeito calmante em todos os seres animados da Terra. O mesmo vento, intensificado até se tornar um furacão, produz efeitos desastrosos. O universo está repleto de energias boas e ruins, criativas e destrutivas, das quais tentamos nos aproximar ou às quais tentamos evitar conforme seu efeito." Como arquitetos, usamos este antigo conhecimento de manifestação de energia e forma para criar uma estrutura que nos proteja contra "ficar no caminho" dos efeitos negativos das forças da natureza, promovendo as forças positivas.
A colocação das portas externas relaciona-se diretamente à característica energética da força da natureza que reside ou rege essa localização do Vastu purusha mandala. Diretamente em frente à porta principal, no outro lado da casa, deve haver uma janela. Diz-se que esta passagem de luz pela casa é a coluna vertebral da casa viva, orgânica. A idéia é que a energia solar entre na casa e tenha passagem livre até a parte de trás, proporcionando um suprimento perene de ondas de energia do Sol. É um túnel de energia pelo qual a energia vital entra na casa.

Brahamastan. Outro elemento importante numa residência Vastu é o brahamastan ou pátio central. Numa malha de 9 x 9 são as nove unidades centrais [vejam estes nove quadrados na ilustração nas páginas 71 e 72]. É o coração de energia da casa e o pulmão da casa. Esta parte da casa deve sempre permanecer aberta e livre de elementos obstrutivos (pilares ou paredes) e dispositivos mecânicos. O melhor seria que esta parte, pelo menos, estivesse diretamente em contato com a Terra. É uma tradição, quando o clima permite, deixar o brahmastan aberto ao céu de forma que o espaço energético que circunda a Terra seja atraído para a casa. Isto proporciona aos moradores da casa energia espiritual benéfica. Quando o brahmastan for coberto por um telhado, deve haver uma fonte de luz natural, uma clarabóia ou cúpula com clerestório no telhado. Além, disso, se possível, pode haver uma pequena passagem vertical no ápice do centro.

Disposição dos cômodos. O próximo passo para o projetista é a configuração dos espaços habitados dentro do espaço fechado. A localização de um cômodo em particular, definida por sua função, é determinada respeitando-se o elemento específico que rege essa área da edificação. Não consegui entender inteiramente todas as relações, mas sei onde pôr cada cômodo:
A cozinha fica localizada na ala sudeste porque esta é a ala do elemento Fogo. Os quartos e o escritório do dono da casa devem ficar na ala sudoeste, a ala do elemento Terra, que proporciona tranqüilidade e frescor. A ala nordeste é em geral reservada para o santuário ou sala de meditação: é a ala do elemento Água. Numa casa indiana tradicional, a ala noroeste destina-se ao armazenamento de produtos secos: é a ala do elemento Ar. Diz-se que é melhor jantar no centro-oeste. Diz-se que as senhoras se beneficiam ao permanecer na área aproximada do centro-leste. As salas de estar podem ficar no sul, objetos de valor no norte. Descobri que os quartos vão bem em várias outras partes da mandala. Em hipótese alguma o bramhasthan deve ser usado para outra coisa que não atividades temporárias e/ou sagradas. Banheiros e escadarias devem ser colocados fora do corpo principal do Vastu purusha mandala por causa de sua energia poluidora.

Altura. A forma mais fácil e básica de se entender o esquema das alturas das edificações é fazer uso da medida modular criada pelo Vastu purusha mandala. "A forma prática é primeiro pressupor a altura escolhida e convertê-la em módulos inteiros, não frações de módulo. Por exemplo, se o módulo tiver 3’6" (três pés e seis polegadas, aproximadamente 1,0668 metro) e a altura desejada for 10’0"(aproximadamente 3,048 metros), fica claro que será necessário tomar três módulos inteiros como medida, obtendo-se 10’6" (aproximadamente 3,2004 metros). Esta poderá ser a altura do chão até o telhado (se o telhado for plano) . O objetivo principal é que o interior da casa fique preenchido por espaços modulados ininterruptos. O volume da casa deve ser preenchido por espaços cubiculares o máximo possível sem mutilação. Cada cubo é um cubo de energia e som, cuja mutilação acarretará uma nota errada na composição da estrutura, conduzindo a doenças físicas."
Todos estes princípios, tomados como um todo, fornecem ao arquiteto uma matriz de projeto para a criação de edificações que vivem e vibram harmoniosamente com energias universais. Achei que são fáceis e agradáveis de usar. Estou convencido de que estas informações merecem ser estudadas e aplicadas por quem estiver interessado em compreender o significado e potencial pleno de abrigar o sistema nervoso humano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...