28 agosto 2007

Terra Oca


No início de 1970, a Administração do Serviço de Ciência e Meio Ambiente (ESSA), que pertence ao Departamento de Comércio dos Estados Unidos, divulgou para a imprensa fotografias do Pólo Norte tiradas pelo satélite ESSA-7 em 23 de novembro de 1968. Uma das fotografias mostrava o Pólo Norte coberto pela conhecida camada de nuvens; a outra, que mostrava a mesma zona sem nuvens, revelava um imenso buraco, onde deveria estar o Pólo.
A ESSA estava longe de suspeitar que suas fotos rotineiras de reconhecimento atmosférico fosse contribuir e despertar uma das controvérsias mais sensacionais e célebres da história dos OVNI's. No número de junho de 1970 da revista Flying Saucers, o editor e ufólogo Ray Palmer reproduziu as fotos do satélite ESSA-7 junto com um artigo em que ele manifestava que o buraco da foto era real. Durante muito tempo, Ray Palmer e outros ufólogos acreditavam que a Terra fosse oca, e que os OVNI's seriam uma civilização de seres superiores que está escondida em seu interior inexplorado.
Em 1970, graças ao apoio de uma fotografia em que aparecia o enorme buraco do Pólo Norte, Palmer pôde assegurar que a super-raça subterrânea existia e, provavelmente poderia chegar até ela através dos buracos dos pólos Norte e Sul. Os números seguintes de Flying Saucers apoiáram sua teoria ressuscitando outra antiga controvérsia sobre a Terra Oca: as famosas expedições do vice-almirante Richard E. Byrd aos pólos Norte e Sul.
O vice-almirante Richard E. Byrd da US NAVY foi um destemido aviador, pioneiro e explorador polar, que sobrevoou o Pólo Norte em 9 de maio de 1926, e dirigiu numerosas expedições à Antártida, incluíndo um vôo sobre o Pólo Sul em 29 de novembro de 1929. Entre 1946 e 1947, levou adiante a operação em grande escala chamada High Jump (Pulo Alto), durante a qual descobriu e cartografou 1390000 km2 de território antártico. As famosas expedições de Byrd entraram pela primeira vez na controvérsia da Terra Oca quando vários artigos e livros, especialmente Worlds Beyond The Poles (Mundos Além dos Pólos), de Amadeo Giannini, afirmavam que Byrd havia, na realidade, não voou por cima do pólo, mas sim dentro dos grandes buracos que levam ao interior da Terra.
Ray Palmer, baseando-se principalmente no livro de Giannini, introduziu esta teoria no número de dezembro de 1959 da sua revista e, por causa disso, manteve uma volumosa correspondência à respeito. Segundo Giannini e Palmer, o vice-almirante Byrd anunciou em fevereiro de 1947, após uma suposta viagem de 2750 km através do Pólo Norte: "Gostaria de ver a Terra além dos pólos". Essa área além dos Pólos é o centro do grande enigma. Giannini e Palmer diziam também que, durante seu suposto vôo sobre o Pólo Norte em 1947, o vice-almirante Byrd comunicou por rádio que via abaixo dele, não neve, e sim áreas de terra com montanhas, bosques, vegetação, lagos e rios, e um estranho animal que parecia um mamute.

Cidade do Arco-Íris
Em janeiro de 1956, após dirigir outra expedição à Antártida, o vice-almirante Byrd manifestou que sua expedição havia explorado 3700 km além do Pólo Sul e, além disso, justo antes de sua morte, Byrd disse que a Terra além do Pólo era um continente encantado no céu, terra de mistério permanente. Essa terra, segundo outras teorias, era a legendária Cidade do Arco-Íris, berço de uma fabulosa civilização perdida.
Para Giannini e Palmer, os comentários atribuídos ao vice-almirante Byrd confirmaria o que eles sempre suspeitaram: que a Terra tem uma forma estranha no Pólos, algo parecido a um "donut", com uma depressão que forma um buraco gigante que passa através do eixo da Terra, de um pólo a outro. Dado que, por razões geográficas, é impossível voar 2750 km além do Pólo Norte e 3700 km além do Pólo Sul sem ver água. Parece lógico pensar que o vice-almirante Byrd deve ter voado dentro de enormes cavidades convexas dos pólos, dentro do Grande Enigma do interior da Terra e que, se tivesse seguido adiante, teria chegado na base secreta dos OVNI's que pertencem à super-raça oculta, quem sabe a lendária Cidade do Arco-Íris que Byrd teria visto refletida no céu.

....Um pouco de história
A possibilidade de que a Terra seja oca, que possa entrar nela através dos Pólos Norte e Sul, e de que civilizações secretas floresçam em seu interior tem aguçado a imaginação desde tempos atrás. Assim, o herói babilônio Gilgamesh visitou seu antepassado Utnapishtim nas entranhas da Terra; na mitologia grega, Orfeo tratou de resgatar Eurídice do inferno subterrâneo; dizia-se que os faraós do Egito comunicavam-se com o mundo inferior, onde desciam através de túneis secretos ocultos nas pirâmides; e os budistas acreditavam (e acreditam todavia) que milhões de pessoas vivem em Agharta, um paraíso subterrâneo governado pelo rei do mundo.
O mundo científico não ficou imune desta teoría: Leornard Euler, um gênio matemático do século 18 deduziu que a Terra era oca, que continha um sol central e que estava habitada; e o doutor Edmund Halley, descobridor do cometa Halley e astrônomo real da Inglaterra no século 18, também acreditava que a Terra era oca e guardava em seu interior três pisos. Nenhuma destas teorias estavam sustentadas cientificamente, porém coincidiam com várias obras de ficção sobre o mesmo tema, onde dentre as mais importantes eram As Aventuras de Arthur Gordon Pym, de Edgar Alían Poe (1833), onde o herói e seu companheiro tem um terrível encontro com os seres do interior da Terra. E na Viagem ao Centro da Terra, de Julio Verne (1864), onde um professor aventureiro, seu sobrinho e um guia penetram no interior da Terra através de um vulcão extinto na Islândia, e encontram novos céus, mares e répteis gigantescos e pré-históricos que povoavam os bosques.
A crença de uma Terra Oca estava tão difundida que inclusive Edgar Rice Burroughs, o célebre autor de Tarzan, sentiu-se obrigado a escrever Tarzan nas Entranhas da Terra (1929), um mundo que encontra-se na superfície interior da Terra e que está iluminado por um sol central. A Sombra Além do Tempo (1936) de H.P. Lovercraft transportou o tema para a época atual, descrevendo uma raça antiga e subterrânea que dominou a Terra há 150 milhões de anos e que, desde então, refugiaram-se no interior da Terra, e inventaram aviões e veículos atômicos, e dominavam a viagem no tempo e a percepção extrasensorial. Estas e outras obras de ficção manteve vivo o interesse pela possibilidade da Terra ser oca e que esconde outras civilizações.

OVNIs do centro da Terra
Assim, quando foram vistos os primeiros OVNI's nos Estados Unidos em 1947 e a ufomania asolou o país primeiro e o mundo depois, surgiram duas teorias para explicá-los. Os OVNI's deviam ser naves extraterrestres de alguma galáxia próxima, ou pertenciam a seres avançadíssimos que habitavam o interior da Terra. Estas teorias levaram a recuperar as lendas das civilizações perdidas da Atlântida e de Thule, e a crença que esta última encontrava-se no Ártico (não confundir com Dundas, antes Thule, que hoje é uma base aérea dos Estados Unidos e centro de comunicação).
Acreditava-se também que outra possível fonte de procedência dos OVNI's encontrava-se na Antártida. Esta teoria surgiu no convincente livro de John G. Fuller, A Viagem Interrompida (1966), onde o autor relata a história de Betty e Barney Hill, um casal americano que, durante um tratamento psiquiátrico devido a um inexplicável período de amnésia, recordaram através de hipnose que havíam sido raptados por extraterrestres, examinados no interior de um disco voador e informados que os extraterrestres tinham bases em toda a Terra, algumas no fundo do mar e pelo menos uma na Antártida.
Deste modo, quando Ray Palmer publicou sua controvertida teoria em 1970, os ufólogos e crentes na Terra oca ficaram com a expectativa: tratava-se de provas conclusivas? Porém os argumentos que Palmer defendia revelaram-se extremamente suspeitos. Todas as investigações feitas desde então não confirmaram nenhuma das afirmações atribuídas por Giannini e Palmer ao vice-almirante Byrd; nem sequer confirmou-se seu vôo sobre o Pólo Norte em fevereiro de 1947 (o certo é que Byrd sobrevoou o pólo Sul nesta data, no transcurso da operação High Jump), inclusive supondo que Byrd teria feito tais comentários, o mais lógico é acreditar que a terra além dos pólos e o Grande Enigma são formas de falar das regiões então inexploradas a continentes escondidos no interior da Terra, e que o continente encantado no céu era unicamente uma descrição de um fenômeno que acontece nas latitudes antárticas, uma espécie de reflexo que trás o reflexo de terras distantes.

Possível acobertamento
Apesar da inexatidão da pretensa viagem de Byrd ao Pólo Norte, existem algumas pessoas que afirmam ter visto em um noticiário sobre a dita expedição ao Pólo Norte, onde se viam montanhas, árvores, rios e um grande animal identificado como um mamute. Uma mulher escreveu para Ray Palmer sobre esta notícia, assegurando que havia visto em White Plains, New York, em 1929. Entretanto, este documentário não está registrado em nenhum arquivo. Será que se trata de uma artimanha do Governo dos Estados Unidos? Ou será que esse documentário nunca existiu? Durante os anos 80 ocorreu um boato que um satélite espião militar norte-americano tirou várias fotografias sobre o pólo norte no exato momento em que se abriu um buraco no pólo para dar passagem a uma nave desconhecida. Seguramente a terra não é oca, mas abaixo de nossos pés podem existir civilizações inteiras...
http://www.fenomeno.matrix.com.br/index2.html

24 agosto 2007

Gene humano pode conter nome de Deus

Deus não criou o homem à sua imagem e semelhança, conforme diz a Bíblia. Seus filhos apenas compartilham os atributos do seu nome que estaria gravado em suas células. É o que sustenta o escritor e pesquisador Gregg Braden ao ligar os alfabetos bíblicos, hebraico e árabe à química moderna.
Aí, diz ele, encontra-se um código perdido, um alfabeto traduzível que é a chave para os mistérios de nossa origem e vive conosco desde sempre. A pesquisa de Braden revela que os elementos hidrogênio, nitrogênio, oxigênio e carbono, que formam o nosso DNA, podem ser substituídos por letras das antigas línguas.
“Com isso, o código da vida se transforma em uma mensagem eterna. Traduzida, ela mostra que as letras do antigo nome de Deus estão codificadas como informação genética em cada célula da vida”, sustenta o pesquisador em seu novo livro “O Código de Deus – O Segredo do Nosso Passado, a Promessa do Nosso Futuro"(editora Cultrix, 256 págs, R$ 34).
A chave para traduzir o código do DNA para uma linguagem significativa é aplicar a descoberta que converte os elementos em letras.
“Com base em seus valores equivalentes, o hidrogênio se transforma na letra hebraica yod (y), o nitrogênio na letra hey (h), o oxigênio na letra vav (v) e o carbono na letra gimel (g). Essas substituições revelam que a antiga forma do nome de Deus, YH, existe como química do nosso código genético. Por meio dessa ponte entre o nome de Deus e os elementos da ciência moderna, é possível desvendar o mistério e descobrir um significado ainda maior no antigo código que vive em cada célula do nosso corpo”, sustenta Braden.
O pesquisador considera que a sua pesquisa evidencia um ato divino: “Preservada dentro de cada célula dos cerca de seis bilhões de habitantes do nosso mundo, a mensagem é repetida, muitas vezes, para formar os elementos de nossa existência. Ela está dentro de cada um de nós, independente de raça, religião ou crença”.

Descoberta pode levar à união dos povos
A pesquisa de Gregg Braden é polêmica. Mas ele acredita que “a assinatura do antigo nome de Deus oferece um denominador comum inédito, que nos permite resolver as diferenças. Essa evidência palpável nos dá também uma razão para acreditar que a paz é viável e vantajosa. Como cidadão do mundo, somos muito mais do que as religiões, crenças, modos de vida, fronteiras ou tecnologias que nos separam. Nos momentos em que duvidamos dessa verdade imutável, basta lembrar da mensagem que trazemos no corpo. Esse é o poder da mensagem que há dentro das nossas células”.
O nome de Deus tem as mesmas letras e o mesmo sentido em todas as línguas, alega o pesquisador. Tanto a tradição judaica como a islâmica têm uma ancestralidade comum representada pelo patriarca Abraão, mas suas interpretações dos ensinamentos diferenciaram-se ao longo dos séculos.
“Mesmo levando em conta essas diferenças, o código numérico oculto dos alfabetos hebraico e árabe revela precisamente o mesmo valor e produz precisamente o mesmo segredo do nome de Deus no nosso corpo. Com isso, o código leva a mesma mensagem de esperança para as três religiões que congregam mais da metade da população do mundo: o Judaísmo, o Islamismo e o Cristianismo”.
Braden interpreta que a mensagem “Deus eterno dentro do corpo” possa ser traduzida de várias maneiras.
“Seja qual for a fonte do nosso código genético, o alto grau de ordem contido na mensagem diz que existe alguma coisa “lá fora”. A mensagem que trazemos no corpo é sem precedentes como base comum para a resolução de nossas diferenças”.

Carbono nos torna diferentes de Deus
“Somos o produto de elementos e moléculas que se combinaram ao acaso para produzir o milagre da vida, ou somos o resultado de um ato intencional de criação? Embora não se elucide a origem do código em nossas células, o simples fato de sua existência e a pouca probabilidade de essa mensagem ter-se formado ao acaso sugerem que há uma inteligência e uma intenção subjacente à nossa origem”, infere Gregg Braden.
O pesquisador deixa claro que, antes de escrever o seu livro, foi preciso estabelecer com a maior precisão possível0 o nome pelo qual a presença sobre o Monte Sinai se identificou para Moisés. Após 12 anos de pesquisas, ele concluiu que “há um nome que sobrevive como o nome pessoal de Deus: YHVH, o eterno”.
Segundo Braden, “quando substituímos os elementos modernos pelas quatro letras do antigo nome de Deus, temos um resultado inesperado, à primeira vista. Trocando o h final de YHVH pelo seu equivalente químico, o nitrogênio, o oxigênio e nitrogênio (HNON), todos eles são gazes sem cor, sem cheiro e invisíveis. Substituir 100% do nome pessoal de Deus pelos elementos deste mundo cria uma substância que é uma forma de criação intangível, mas real”.
O pesquisador lembra que as primeiras definições de Deus dizem que Ele é onipresente e que, no nosso mundo, assume a forma invisível aos olhos.
“Então Ele só pode ser conhecido por meio de suas manifestações. Os primeiros capítulos do Gênesis relatam que é nessa forma não-física que o Criador estava presente no tempo da criação”.
Braden deixa claro que a humanidade compartilha das três primeiras letras antigas que representam 75% do nome do Criador, “mas a quarta e última letra do nosso nome químico nos separa de Deus. Enquanto a presença de Deus é a forma invisível e impalpável dos três gazes, hidrogênio, nitrogênio e oxigênio, a última letra do nosso nome é aquilo que nos dá a cor, o gosto, a textura e os sons do corpo: o carbono. A única letra que nos separa de Deus é também o elemento que nos torna reais no nosso mundo”.

Texto: ANA ELIZABETH DINIZ

Canalização Ariel


Canalização recebida ao vivo, aos 27. 04.2007
em evento realizado no Espaço Luz Cristica,
Curitiba/PR, Brasil


por Alexandre Chagas
Introdução conduzida por Alexandre Chagas (canal):

Vamos fechar os olhos e inspirar profundamente algumas vezes, relaxando e deixando para trás as nossas preocupações e tudo aquilo que nos aprisiona.
(pausa)
Focalizemos a nossa atenção em nosso coração. Vamos imaginar uma Luz branco-dourada dentro de nosso coração que nos trás uma alegria intensa...
Essa alegria começa a envolver cada parte de nosso corpo e vai se expandindo e penetrando em nossa alma e em nosso Eu Superior... Começamos a ficar repletos dessa Luz...
E conforme essa Luz se expande, notamos estar dentro de uma linda bolha de Luz, formada por essa maravilhosa energia de alegria... E gradativamente essa bolha começa a se expandir e vai se mesclando com as outras bolhas de alegrias de todos os presentes.
Conforme se mescla na luz do mais profundo amor e alegria, essa luz vai ganhando intensidade e fica mais luminosa que o próprio sol. Toda essa casa se encontra nessa perfeita luz, nessa perfeita conexão, a qual preenche tudo e todos...
Pelo nosso coração invocamos a grande Mãe, Deus-Mãe e Ela, numa forma bem grande, vem até nós e permanece acima de nossas cabeças. Individualmente, ela nos aparece como a figura feminina que cada um tem mais fé... Nossa Senhora de Aparecida, Nossa Senhora das Graças, Kwan Yin dentre outras...
A grande Mãe faz descer dos céus uma luz branco-prateada da energia da graça e da compaixão, que envolve todos nós e cada um de nós.
Ela pede ao Arcanjo Miguel para que se posicione à nossa direita e nos envolva com a energia do mais profundo amor e misericórdia. A energia de Miguel vai penetrando em nosso corpo e podemos sentir um leve calor energético penetrando fundo em nosso corpo físico e em nossa alma...
Enquanto Miguel continua a irradiar o seu amor, a grande mãe convida o Arcanjo Gabriel para que se posicione à nossa esquerda. Podemos sentir um leve calor energético nessa parte de nosso corpo e de nossa alma que começa a nos envolver completamente. A energia de Gabriel pulveriza todos os sentimentos e pensamentos negativos... Sentimos uma expansão de nossa Luz pessoal.
Agora, Ela posiciona o arcanjo Rafael nas nossas costas.
Também podemos sentir a energia de Rafael, a qual causa um leve calor energético em nossas costas. Ele harmoniza e cura todos os nossos sentimentos, emoções, travas e bloqueios.
Rafael despeja sobre nossas cabeças um ungüento sagrado. Podemos sentir um líquido brando-esverdeado altamente luminoso e curativo que começa a descer por sobre nossas cabeças e que vai harmonizando, desbloqueando e curando cada pedaço de nossa manifestação.
Conforme esse líquido é despejado em nossas cabeças, ele penetra e harmoniza nosso pescoço, tórax, órgãos do abdômen, a genitália, pernas, pés e segue na direção do centro da Terra criando raízes de Luz que nos conectam a mãe Terra, que é uma das manifestações do amor de Deus-Mãe.
À nossa frente, Ela chama o arcanjo Ariel, para que traga todo o conhecimento necessário à luz de nossa evolução. Podemos sentir Ariel com um leve calor energético a nossa frente.
Ele se aproxima e toca o nosso coração, criando um cordão umbilical entre nosso coração e o coração de grande Mãe acima de nossas cabeças.
O nosso coração pulsa e conforme ele pulsa Deus-Mãe transmite a ele todo o amor para que pulse mais luz, amor, energia vital e energia divina.
Ariel nos diz que começará a tocar cada um de nossos chakras.
Ele toca a região de nossa genitália, desbloqueando toda energia estagnada.
Ele toca o nosso chakra umbilical na frente e na mesma altura em nossas costas, desbloqueando toda a nossa conexão com o planeta Terra e com os sentimentos para conosco mesmos e para com a humanidade. Podemos sentir uma luz, uma paz que começa a tomar toda a região próxima de nosso umbigo.
Agora ele toca o nosso plexo solar, e na altura equivalente nas nossas costas. Sentimos um desbloqueio de nosso poder pessoal.
Ariel pede que inspiremos profundamente, imaginando que essa luz por nos inspirada se dirija a nosso estômago para libertar todo o nosso poder interior, toda a nossa criança interior. Inspiremos umas 3 ou 4 vezes, fazendo com que essa luz se dirija a nosso estomago, a nossa barriga e a nossa genitália.
(pausa)
Ele toca o nosso coração e também na mesma altura em nossas costas. Sentimos que nosso cordão umbilical para com a Mãe é potencializado. Podemos ver um verdadeiro arco-íris interior com luzes resplandecentes na altura de nosso coração, as quais harmonizam todos os nossos corpos emocionais, corpo físico, toda a nossa manifestação espiritual e nosso poder criativo.
Ariel cria também uma outra conexão para auxiliar o fluxo da energia para toda a região acima do coração. Tal qual o cordão umbilical que nos une a Deus-Mãe, ele cria um cordão interior, indo do nosso coração ao topo de nossas cabeças e além.
E conforme o fluxo de luz da grande Mãe penetra em nosso coração ele sobe por esta nova conexão e começa a pulsar acima de nossos corações. Sentimos um avanço parecido com uma maré que começa a subir, avançar e desbloquear a energia estagnada em nossos ombros... pescoço... face... nuca e, tal qual uma flor que se abre, começa a desabrochar o topo de nossas cabeças para a totalidade da energia de Deus-Mãe e para a nossa energia pessoal.
A Mãe desbloqueia com o seu pulsar amoroso as últimas restrições que existem em nossos corpos... Sentimos todo o nosso corpo pulsar como um coração, repleto de energia, vida e amor... Notamos um cordão branco-prateado muito claro e brilhante o qual sempre nos envolveu em todas as nossas manifestações... Sempre estivemos em conexão plena!
Ela nos mostra 3 esferas acima de nossas cabeças, enfileiradas em linha reta...
A primeira esfera recebe o pulsar da energia que sobe além do topo de nossas cabeças... A esfera se abre e faz descer sobre nós uma maravilhosa luz.
A energia do pulsar avança e penetra na segunda esfera... A esfera também se abre e tal qual uma cachoeira, essa esfera joga sua luz liquida para a primeira esfera e a Luz aumenta de intensidade conforme penetra em nossos corpos.
A terceira esfera começa a receber o pulsar. Nesse momento a Mãe diz "Seja a Luz" e essa esfera também se abre, fazendo com que as águas dos reinos dos céus, onde habita o nosso Eu Superior despejem uma luz líquida luminosa a todas as esferas e manifestações abaixo. Essa Luz transpassa, penetra e pulveriza toda manifestação negativa, todas as formas-pensamento destrutivas e limitantes, tornando-nos completamente construtivos e ilimitados.
Essa Luz-líquida que nos envolve num imenso rio do mais profundo amor, desembocando no centro do planeta. Somos Luz.
Fiquemos assim algum tempo... inspirando e sentindo a presença do nosso Eu Sou, dos Arcanjos e da Mãe agindo em todas as nossas manifestações.
(pausa)


ARIEL

Eu sou Ariel, vosso servo.
Em outras oportunidades já ensinamos como vos conecteis com o divino e como é possível ampliar a vossa luz pessoal.
Ainda que nem todos os presentes tenham conhecido as nossas canalizações anteriores não há o menor empecilho para uma conexão plena.
A conexão, o contato, sempre é simples e direta.
Sempre que vocês quiserem, conectem todo o lado astral e principalmente toda a vossa energia pessoal pelo vosso coração.
É pelo coração que Deus cria e está no vosso coração o caminho para criar o vosso destino, a vossa paz e a vossa luz na Terra e em todas as vossas manifestações.
Mantendo-se serenos e sentindo todo o amor de Deus-Mãe ativado pela introdução, vamos vivenciar esse amor, deixando que essa energia os conduza a um local dourado em meio a inúmeras nuvens maravilhosamente brancas.
Tudo é uma esplendorosa nuvem sem fim e vocês vão perdendo a vossa forma ao mesmo tempo em que se unem a imensidão dessa nuvem.
Caso consigam observar, apesar de não terem mais forma, a única coisa pessoal que resta nessa nuvem é um pequenino ponto de luz... Esse ponto de luz é o vosso coração.
Nesse estágio, mesmo sem forma, sem mente e sem corpo, notem que vosso coração ainda existe.
E pelo coração vocês começam a vivenciar a presença de uma maravilhosa Luz de Amor se aproximar... A energia é similar a de um grande Budha, de um grande Cristo...
Ainda que também não tenha forma, essa imensa Luz de Amor se aproxima mais e mais de vocês por entre as nuvens... E quanto mais ela se aproxima, vocês a reconhecem como uma parte de vós...
Ela é o teu Eu Maior, o qual é tão grande como jamais sonharam...
Ainda que tenham tido uma concepção sobre grandes mestres na Terra, teu coração Real vos parece infinitamente maior.
Ele é puro em amor e vos ama profundamente. Você vivencia o mais profundo amor do teu Eu Maior por você. Nas suas vivências, apenas achou que Deus teria tamanho amor...
E gradativamente essa Luz Maior chega mais perto e você vai se aproximando a Ela como um imã... cada vez mais perto... até se unir a ela numa unidade plena.
Você se torna essa Luz e esse infinito amor. E ao amar sem limites você descobre algo maravilhoso: você é igual a Deus, você é Deus!
Tudo a tua volta começa a receber a irradiação desse amor. Não existe tempo nem espaço... Apenas existe você, apenas existe o Eu Sou.
E conforme você vai sentindo o Eu Sou, conforme vivencia todo esse amor, essa sua manifestação e também as nuvens começam a se transformar em intensa luz líquida. Toda a Criação começa a se transformar em um mar de luz líquida sem fim.
Você está dentro desse mar de Luz, onde você é apenas uma gota.
Mas, tal qual o próprio oceano, essas infinitas gotas de luz também se mesclam a você, como se fossem uma unidade ainda maior.
Gradativamente, você começa a perder a identidade pessoal. Você começa a vivenciar uma identidade coletiva, começa a vivenciar além da unidade do Eu Sou para vivenciar a unidade de Nós Somos.
O planeta Terra, o universo e toda a Criação são gotas nesse infinito oceano de amor e Luz. Tudo faz parte dessa unidade, desse amor ainda maior... Tudo faz parte de Nós Somos.
Você entende que cada gota é a semente mais linda e perfeita de Deus... cada pedacinho, incluindo o seu Eu Sou é a semente mais linda e perfeita de Deus... Nesse momento vivenciamos Ser a Imagem e Semelhança... vivenciamos ser a própria Criação...
Somos a gota ao mesmo tempo em que somos todo o infinito oceano de Luz. Essa é a única realidade, qual seja, a Luz e a unidade do verdadeiro Amor.
Vivenciamos coletivamente a jornada daquele daquela gota que é o Eu Sou e notamos que as preocupações e dores são futilidades, pois podem ser alteradas por esse amor.
Vivenciamos que Jesus, Budha, Mãe Maria, Saint Germain e outros grandes mestres estão a nós unidos nesse imenso mar e vamos recebendo dessa Unidade todos os ensinamentos e toda energia necessária para nossa caminhada.
Ao recebermos esses ensinamentos, a luz líquida solta às realidades abaixo seu vapor como as nuvens que anteriormente vivenciamos...
Essas nuvens, esse vapor branco-cristalino desce e preenche todos os nossos corpos, indo até o mundo físico e também ao centro da Terra. Todos os seus mais profundos sentimentos de dúvida e medo são pulverizados e nunca mais existirão... só há espaço para a compaixão, para o amor e para a Luz.
Inspirem profundamente essa Luz Líquida e intencionem vivenciarem por alguns instantes o Nada e o Tudo... Vivenciem o Nada e o Tudo...
(pausa)
Inspiremos a Luz Líquida da Unidade Coletiva e vamos imaginar vapores descendo e materializando nossos projetos físicos pessoais e coletivos. Toda a unidade deve ser respeitada para a materialização desses projetos... todos os projetos devem conter o amor do Eu Sou, o amor do Nós Somos...
Os vapores descem e vocês vêem suas intenções já materializadas como um belo filme, onde você e toda a coletividade ficam plenos e felizes. Sintam que suas intenções e projetos foram aceitos e já nasceram em sementes que começam a germinar... Vossas intenções positivas recebem o sopro da vida, recebem as nuvens, recebem uma infinidade de emoções...
(pausa)
Notamos um tubo branco-prateado muito luminoso que é o nosso caminho de retorno. Ele está repleto das nuvens de luz, repleto da luz da graça, repleto do pão de cada dia, repleto de toda energia necessária para sua vida na Terra...
Quando quiserem, retornem à realidade física.
(pausa)
Eu Ariel vos ensinei esse exercício de adoração à vossa própria divindade, o qual é superior a todos os outros já ensinados...
Fiquem na Criação,
Fiquem na Luz,
Fiquem no amor de vossos corações.

ARIEL

20 agosto 2007

Arquitetura Vastu.



Michael Borden

Em fevereiro/março de 1998, viajei a Madras, Índia, para estudar o princípios da ciência Vastu aplicados à arquitetura. Por meio de meu trabalho e pesquisa nos três anos anteriores, eu tomara conhecimento de uma tradição de arquitetura sagrada que, segundo se dizia, fundamentava-se em princípios básicos das leis da natureza. Naquela época, eu fora comissionado para projetar dois edifícios que seguiam o que meus clientes chamaram arquitetura Sthapatya Védica. Pediram que eu trabalhasse diretamente sob a orientação de um projetista na Europa. Fui orientado por este projetista a criar uma planta baixa e uma planta alta seguindo certos princípios básicos de distribuição de cômodos, a seguir deveria enviá-las a ele para revisão.
O processo de projeto e revisão prolongou-se por várias semanas até chegarmos a uma construção condizente com as disposições de cômodos, incluindo dimensões muito precisas, se bem que estranhas, relativas às plantas baixa e alta. Fui instruído a insistir que as dimensões fossem integralmente seguidas à medida que se erguesse a construção, até um oitavo de polegada. Eu estava muito interessado em entender os princípios de projeto e a filosofia por trás do projeto, então solicitei mais informações ao perito em Sthapatya Védica. Para minha grande decepção, ele me comunicou que não estava autorizado a passar as informações que eu queria.
Comecei então a procurar informações sobre arquitetura Sthapatya Védica. Descobri que havia vários volumes de literatura indiana antiga, bem como moderna, dedicados ao assunto. Quando examinei os livros, achei-os bem confusos. Dei-me conta de que precisava encontrar um professor, então freqüentei um seminário de fim de semana sobre o assunto dado por um projetista da Índia, Narajan Babu. Novamente, as informações básicas em si não foram apresentadas.
Afinal achei um arquiteto na Índia que supostamente era perito nesta tradição de conhecimento. Certa noite, assisti a uma dança sagrada indiana, e na introdução da performance a dançarina nos disse que dançara numa conferência sobre arquitetura Sthapatya Védica no sul da Índia. Depois da performance, perguntei à dançarina se ela poderia me recomendar a um arquiteto especialista nessa tradição. Deu-me o nome do dr. V. Ganapati Sthapati de Madras, Índia. Fui ver o Sthapati (que significa "escultor especialista e projetista de construções") no dia seguinte. Ele me disse que estava construindo um templo no meio-oeste e visitaria o local dentro de uma semana. Tomei providências para ir ter com ele imediatamente.
Ganapati Sthapati nasceu em 1927 numa família cujos antepassados construíram o grande templo em Tanjore no século 10. Aprendeu sua arte com seu pai e tio, começando como aprendiz de escultor, passando a escultor mestre e projetista de templos. Passou 27 anos como diretor da Faculdade Estatal de Arquitetura e Escultura de Mahabalipuram, Tamil Nadu. Ele é responsável pelo ressurgimento significativo da Índia no campo da antiga arte de escultura em pedra. Depois de se aposentar em 1988, continuou a construir templos e fundou a Fundação de Pesquisa Védica Vastu para explorar as origens antigas dos artesãos de templos.
À medida que era conduzido à presença de Sthapati, reparei que os trabalhadores indianos que estavam construindo o templo tratavam o homem com extremo respeito. Nossa entrevista durou aproximadamente uma hora. Mostrei-lhe meus projetos de residências e ele riu enquanto os criticava. Disse que arquitetura era música congelada e que uma construção poderia ser uma expressão de harmonias agradáveis e poderosas. Fez esboços em meus projetos, mencionando algo chamado purusha mandala Vastu. Falou sobre a possibilidade de uma construção ser um gerador de coerência, sintonizando os ocupantes com as leis do universo e aumentando a saúde, riqueza e bem-estar espiritual. Disse que uma construção era um organismo vivo, como o sistema nervoso humano, podendo ser projetada em ressonância harmônica com a estrutura de energia subjacente básica do universo.Mas mais do que suas palavras, sua presença, sua confiança, seu entusiasmo e amor à sua arte me disseram que ele era um homem que vivia sua verdade. No final de nosso encontro, perguntei-lhe se eu poderia vir para a Índia estudar com ele. Pareceu um pouco surpreso, na verdade, mas me deu boas-vindas para ir.
Tomei providências para ficar em Madras durante seis semanas estudando. Duas ou três vezes por semana ele me encontrava durante a maior parte da manhã. Começou por estabelecer a filosofia fundamental da ciência Vastu. A seguir passamos à aplicação da filosofia à arte e arquitetura. Ele me fez projetar construções, residenciais a princípio, então comerciais, que seguiriam as regras gerais da ciência. Quando fui embora da Índia, ele me disse que eu dominara as regras básicas de projeto Vastu e que deveria projetar estes edifícios nos EUA. Combinamos nos encontrar novamente em 1999 durante três meses, de forma que eu pudesse desenvolver minha compreensão estudando as particularidades do projeto de templos. Retornarei em setembro de 1999.


FILOSOFIA
Ganapati Sthapati sustenta que uma figura histórica, Mayan, um arquiteto e projetista de cidades da Índia antiga, foi a fonte da ciência Vastu. Foi o autor de Mayamata Vastu Shastra (tratado sobre construção e arquitetura) e também Surya Siddhanta (tratado sobre astronomia). Estes trabalhos ainda são usados pelos estudiosos e profissionais em toda a Índia.
"Mayan era adorado como ‘Viswakarma’ por Veda Vyasa em seu Mahabharata [um dos textos sagrados mais célebres da Índia], por aí se deduz que Mayan tinha conhecimento da dinâmica do espaço, sendo capaz de aplicar a mecânica do espaço às suas próprias criações, transformando-as em pequenos universos na Terra. Tudo quanto ele era capaz de criar em termos visuais, fosse uma escultura, construção ou cidade ou plano de uma cidade, [essas criações] se comportavam como organismos vivos e pulsavam com vida....Ele foi o grande cientista da Índia que identificou e quantificou a vibração do espaço que envolve a Terra e os corpos celestes, e que habita também cada um dos objetos da natureza.
"A planta do projeto de um templo ou construção residencial é tecnicamente chamada Vastu purusha mandala, com uma malha de 8 x 8 = 64 espaços ou 9 x 9 = 81 espaços de dimensões iguais. Na terminologia arquitetônica moderna, ela pode ser considerada uma malha de energia. Estas plantas são quadrados, em termos bidimensionais, e cubos, em termos tridimensionais. Essas duas plantas constituem a fórmula geométrica do silpi (escultor ou arquiteto) para replicar a substância sutil do universo em forma visual, material. Essa é a fórmula dada pelo Deus Viswarkarma, o criador do universo, para transformar seus próprios pensamentos em formas materiais. Essa fórmula é expressa num dizer simplista: ‘Vastu reva Vaastu,’ que significa ‘é o sutil que se transforma no concreto.’ Aqui Vastu é energia sutil e Vaastu é energia corporificada. Isto foi descoberto e posto nos textos de Vaastu por Mayan.
"A tradição científica de Vaastu considera que Shakti (energia) a tudo impregna e é a substância originadora de todas as manifestações dos fenômenos visuais e auditivos [som] do universo....Pode-se comparar este fenômeno de Vastu e Vaastu ao ouro transformado em ornamentos de ouro, atuando o silpi como o agente da transformação. Além disso, a tradição Vastu reconhece este Vastu como habitante do espaço interior de seres individuais, bem como do espaço exterior, o ser universal.
"O espaço luminoso...impregna todo o universo. É o espaço supremo no qual se encerram o tempo absoluto e a energia absoluta. É repleto de substância luminosa (vastu) composta de paramanu, as partículas diminutas de espaço...e possuindo energia. Paramanu tem basicamente forma quadrada e tridimensionalmente é cúbico. (É a matemática do Paramanu que é usada como padrão para todas as formas pelo silpi.) É...uma abstração de todos os fenômenos visuais e auditivos do universo, ou a forma suprema. O espaço luminoso é supersensível, capaz de adquirir consciência de si mesmo e de vibrar em objetos dos quais está consciente. Esta ação faz parte de sua natureza intrínseca, [sendo] responsável pelas formas que ocorrem no espaço interior de pessoas e também no espaço exterior do universo. O espaço vibra, tornando-se forma, e é sensível o suficiente para ordenar estas vibrações em ritmos, evoluindo nas formas desejadas, ritmicamente estruturadas e esteticamente fascinantes.
"Esta força ou vibração aplicada do espaço é chamada kala. Kala significa literalmente ‘o que surge de dentro’....Em arte, kala se torna tala (ritmo medido)...A medida de kala é produzida pela dançarina ao bater o pé no chão....Tala é ritmo, um tempo-espaço bem definido....A medida de tempo rítmica produz formas musicais. As composições poéticas também são regidas pela medida de tempo...Os princípios básicos da criação de formas ligadas ao ritmo são chamados Vastu Shastras (tratado sobre arquitetura e escultura).
"O tempo é interrompido nessas criações visuais do silpi. Elas se transformam em objetos eternos a significar os atributos da realidade suprema." O que é surpreendente lembrar neste contexto é que elas são as formas (padrões geométricos) do espírito, reproduzidas em sua própria escala de tempo. São as réplicas das formas sutis experimentadas no coração. São organismos vivos que ressoam com a Realidade Suprema.
Há muitos fatores em ação na criação de uma construção alinhada com princípios da ciência Vastu. Existem textos antigos com milhares de páginas prescrevendo em detalhes as necessidades de projeto de construções de forma genérica e também suas particularidades. Por exemplo, num texto, o Mayamata, são os seguintes alguns dos títulos dos capítulos: Locais de Moradia, Exame do Local, Posse do Local, Sistema de Medidas, Orientação, Oferendas, Cidades, Número de Andares e Dimensões, Assentamento das Fundações, A Base, Dimensões de Pilares e Escolha de Materiais, Entablamento, Marcenaria.
Em minha experiência, digerir, assimilar e aplicar as informações contidas nestes textos foi uma tarefa desanimadora. Iniciei estudos com Ganapati Sthapati na esperança de que ele atuasse como intérprete e filtrasse o conhecimento para mim, e foi o que fez. Saí de meus estudos com um corpo de conhecimentos equilibrado e aplicável.

PRINCÍPIOS BÁSICOS
O regime de projeto do arquiteto Vastu segue parâmetros específicos:

Considerações sobre Orientação e Localização. A seleção do local de uma construção é um fator muito importante na arquitetura Vastu. A Terra é considerada um organismo vivo na ciência Vastu: "Os shastras Vastu referem-se esta energia contida na Terra como Vaastu purusha. Purusha significa ‘energia sutil que impregna a Terra’ e vaastu é ‘o corpo material que evoluiu a partir da energia.’...Abstratamente, purusha nada mais é que uma substância sutil; Vastu (ou essência do universo sutil) significa ‘consciência ou percepção universal.’ A Terra é...um objeto material vivo suspenso em [um mar] de espaço e existindo como parte...do Ser Universal."
A inclinação geral do local é importantíssima. Um declive na direção leste, nordeste ou norte é considerado benéfico, tendo a situação oposta efeitos negativos sobre os ocupantes da estrutura. A partir de minha pesquisa, parece haver alguma relação com fluxos de água sobre e sob o local. Além disso, é considerada a posição da água no local ou em relação ao local, sendo o nordeste a melhor localização para uma massa de água. "Cercar um terreno com proporções aceitáveis também é importante. A razão é que quando vastas extensões de terra são limitadas por linhas de demarcação, elas adquirem uma forma. Ou seja, o informe assume uma forma. Assim que uma forma é criada, a qualidade flui ou a forma assume uma qualidade."
O solo é inspecionado buscando-se certas características desejáveis de cor, sabor, cheiro e composição. São realizados testes. Por exemplo, um teste consiste em cavar um buraco (de aproximadamente 60 cm x 60 cm), preenchendo-se a seguir o buraco com a terra retirada. Se a terra substituída encher o buraco e se derramar em volta, esse fato recomenda muito o local.
Considera-se muito benéfico permitir que vacas pastem no local durante algum tempo antes da construção. Uma recomendação particularmente boa para o local é se, durante sua permanência no local, as vacas e touros ficarem "amorosos."
De extrema importância é a orientação da estrutura em relação aos pontos cardeais da bússola. Segundo a ciência Vastu, o globo terrestre é coberto por uma rede de linhas de energia: um malha de energia. Essas linhas são semelhantes ao que conhecemos como linhas de longitude e de latitude. As linhas são "conduítes pelos quais a energia concentrada no centro da Terra vital sai fluindo e se distribui sobre a Terra. São também linhas de absorção de energias solares, lunares e estelares." A Terra pulsa de vida e irradia sua energia por meio deste sistema de malha. A ciência Vastu afirma que "todos os planetas estão suspensos ou mergulhados no oceano de espaço, a fonte de energia que sustenta todas as energias corporificadas, inclusive o homem e outros seres animados que vivem na Terra."
O conceito da malha de energia tem sido o elemento predominante da ciência Vastu na esfera dos projetos tradicionais relativos à arquitetura indiana. O projeto de construção é elaborado levando em conta uma malha de energia chamada Vastu purusha mandala. A malha típica é de 9 x 9, mas há muitas outras formas de malha tradicionais constituídas de números ímpares e pares. Esta malha pode ser composta de quadrados ou retângulos. Se for retangular, o lado maior deverá ser orientado no eixo norte/sul. Quando a planta da malha da estrutura é orientada segundo os pontos cardeais da bússola, diz-se que repousa exatamente sobre a malha de energia da Terra. (O estabelecimento da malha da construção exatamente segundo os pontos cardeais da bússola aplica-se a templos. Quanto a estruturas seculares, o melhor é girar a estrutura cerca de um grau ao norte do verdadeiro leste.)
Plano de construção sobre uma malha Vastu purushha mandala. Uma vez que o projetista estabelece a malha, pode dispor as paredes e pilares da construção sobre este padrão. "Esse procedimento estabelece um tipo de congruência ou harmonia geométrica com a malha terrestre. Se a malha da estrutura estiver em harmonia com a malha da Terra, então o espaço construído e a Terra respondem harmoniosamente, energeticamente. Se houver qualquer distorção, divergência ou deflexão nas linhas da malha da malha da construção proposta e na da malha da Terra, então diz-se que o espaço construído está em desarmonia com o sistema de malha de energia da Terra."
A ciência Vastu afirma que estamos ligados à Terra e constantemente expostos à energia por ela exalada. A meta é ficar em harmonia com esta energia. "Assim como nós, seres humanos, abrigamos em nosso coração um átomo de energia divina por meio do qual somos capazes de vibrar com a vida...a Terra também vibra a partir de dentro, enviando ondas de energia." O projetista Vastu produz harmonia entre as vibrações instituindo uma ordem matemática em particular.
Consideração da data de nascimento do cliente. "De acordo com a prática tradicional e a orientação shastraic (segundo a escritura)‚ a medida do perímetro da construção proposta deve ser auspiciosa e também condizer com o temperamento dos moradores da casa. Numa família indiana, a dona da casa goza de uma posição muito importante e digna. É considerada...a soberana de toda a casa....Desse modo a prática shastraic e tradicional prescreve a criação de outra forma orgânica chamada casa destinada a coexistir com a força espiritual da dona da casa e a aumentá-la. Ou seja, criar um ambiente dentro do espaço construído que vibre em harmonia com a vibração da dona de casa.O arquiteto tradicional...evoca a estrela de nascimento da dona da casa e aplica uma fórmula matemática chamada ayadi ganita por meio da qual decide o comprimento de onda da dona da casa (e da casa)....Este processo de levar em conta a estrela de nascimento se baseia no fato de que cada pessoa...nasce sob a influência de uma estrela que persiste ao longo de sua vida."
O conhecimento da ayadi é usado pelo projetista na determinação dos efeitos da estrutura física sobre a pessoa. O proprietário da casa nasce sob a influência de uma estrela de nascimento em particular. A construção é considerada um ser vivo e também tem uma estrela de nascimento. Os cálculos baseados na ayadi procuram harmonizar as energias criadas pela influência da estrela de nascimento da pessoa e as da construção. Quando essas energias são harmonizadas, o morador experimenta prosperidade material e bem-estar espiritual. Diz-se também que a ayadi é capaz de afetar o destino da pessoa.
O perímetro. O projetista deve examinar seis aspectos com respeito à matemática do perímetro:

Aya—renda
Vyaya—despesas
Yoni—direção indicativa do fluxo de energia
Vara—semana
Nakshatra—estrela
Amsa—qualidade
Todos estes aspectos são examinados, devendo ser positivos para que a pessoa que ocupa a construção prospere.

Quando o projetista tiver dimensionado um perímetro básico da construção, ele converte esta medida periférica numa unidade de medida prescrita. "Os shastras prescrevem certas medidas tais como hastas, vithastis, talas e angulas. Estas medidas não são arbitrárias, derivam, sim, da vibração do espaço universal....É na verdade o número (contagem vibratória) que estabelece a harmonia entre a pessoa e a casa onde mora."
O nº de hastas é o número básico usado e ajustado na análise matemática que prevê os efeitos da medida sobre o dono da construção. Trata-se do número que o projetista usa para estabelecer uma nakshatra (estrela de nascimento) para a edificação. A nakshatra fornece o comprimento de onda da edificação que deve harmonizar com o do dono. Há 27 nakshatras possíveis.
Posição das porta externas. Depois do estabelecimento da malha e suas medidas apropriadas, o arquiteto então dispõe as aberturas das portas externas da construção. Em geral, as portas se localizam no quarto módulo a partir do canto direito externo. Cada compartimento do padrão de malha abriga certa energia ou influência. Isto deriva de uma história encontrada no antigo Briha Sawhita:
"Um bhuta, uma força demoníaca, estava produzindo um grande alvoroço, espalhando-se por todo o vazio que é... normalmente chamado espaço celestial ou akasa. Os luminares celestiais, chamados devas, assustados com a forma monstruosa e o barulho estrondoso do bhuta, exerceram seu poder sobre ele e o empurraram para baixo. O demônio caiu ao chão com um estrondo, de cara na Terra. Os devas atacaram o demônio, ocupando várias partes do corpo para sujeitá-lo. O demônio, incapaz de se safar do peso dos devas, rezou ao Senhor Shiva com a cabeça virada para o quadrante nordeste. As orações foram recebidas e Senhor Shiva conseguiu a libertação do demônio, obsequiando-o por sua fidelidade: ele seria a deidade guardiã das formas construídas e seria venerado por todos os seres humanos como tal.
"Além disso, diz-se que este demônio chamado Vastu Bhuta mora na estrutura do quadrado do Vastu purusha mandala, com seus membros dobrados e ocupando todo o espaço. Encerra-se nesta história mitológica a abstração do espaço e suas características em miniatura, significando também, indiretamente, que este espaço em miniatura é a primeira forma manifesta da energia primitiva não manifestada do universo. O fato de os devas ocuparem as várias partes do corpo representa as várias leis da natureza em ação em seu devido lugar, seqüência e relação para que ocorra a manifestação. Ou seja, o Vastu purusha mandala é um modelo ou padrão exato encontrado em todas as fases e níveis de manifestação universal.
"Os seres celestiais tais como Surya, Agni, Varuna, Vaya, Kubera e outros são levados ao complexo do projeto Vastu purusha mandala...representando as forças da natureza que assumiram forma material. Todas as formas manifestas do não manifestado que inundam o universo apresentam certas características específicas de bem e mal. A natureza bruta, bem como a natureza sutil, não estão livres de características positivas e negativas. Por exemplo, um vento, quando brando, proporciona um efeito calmante em todos os seres animados da Terra. O mesmo vento, intensificado até se tornar um furacão, produz efeitos desastrosos. O universo está repleto de energias boas e ruins, criativas e destrutivas, das quais tentamos nos aproximar ou às quais tentamos evitar conforme seu efeito." Como arquitetos, usamos este antigo conhecimento de manifestação de energia e forma para criar uma estrutura que nos proteja contra "ficar no caminho" dos efeitos negativos das forças da natureza, promovendo as forças positivas.
A colocação das portas externas relaciona-se diretamente à característica energética da força da natureza que reside ou rege essa localização do Vastu purusha mandala. Diretamente em frente à porta principal, no outro lado da casa, deve haver uma janela. Diz-se que esta passagem de luz pela casa é a coluna vertebral da casa viva, orgânica. A idéia é que a energia solar entre na casa e tenha passagem livre até a parte de trás, proporcionando um suprimento perene de ondas de energia do Sol. É um túnel de energia pelo qual a energia vital entra na casa.

Brahamastan. Outro elemento importante numa residência Vastu é o brahamastan ou pátio central. Numa malha de 9 x 9 são as nove unidades centrais [vejam estes nove quadrados na ilustração nas páginas 71 e 72]. É o coração de energia da casa e o pulmão da casa. Esta parte da casa deve sempre permanecer aberta e livre de elementos obstrutivos (pilares ou paredes) e dispositivos mecânicos. O melhor seria que esta parte, pelo menos, estivesse diretamente em contato com a Terra. É uma tradição, quando o clima permite, deixar o brahmastan aberto ao céu de forma que o espaço energético que circunda a Terra seja atraído para a casa. Isto proporciona aos moradores da casa energia espiritual benéfica. Quando o brahmastan for coberto por um telhado, deve haver uma fonte de luz natural, uma clarabóia ou cúpula com clerestório no telhado. Além, disso, se possível, pode haver uma pequena passagem vertical no ápice do centro.

Disposição dos cômodos. O próximo passo para o projetista é a configuração dos espaços habitados dentro do espaço fechado. A localização de um cômodo em particular, definida por sua função, é determinada respeitando-se o elemento específico que rege essa área da edificação. Não consegui entender inteiramente todas as relações, mas sei onde pôr cada cômodo:
A cozinha fica localizada na ala sudeste porque esta é a ala do elemento Fogo. Os quartos e o escritório do dono da casa devem ficar na ala sudoeste, a ala do elemento Terra, que proporciona tranqüilidade e frescor. A ala nordeste é em geral reservada para o santuário ou sala de meditação: é a ala do elemento Água. Numa casa indiana tradicional, a ala noroeste destina-se ao armazenamento de produtos secos: é a ala do elemento Ar. Diz-se que é melhor jantar no centro-oeste. Diz-se que as senhoras se beneficiam ao permanecer na área aproximada do centro-leste. As salas de estar podem ficar no sul, objetos de valor no norte. Descobri que os quartos vão bem em várias outras partes da mandala. Em hipótese alguma o bramhasthan deve ser usado para outra coisa que não atividades temporárias e/ou sagradas. Banheiros e escadarias devem ser colocados fora do corpo principal do Vastu purusha mandala por causa de sua energia poluidora.

Altura. A forma mais fácil e básica de se entender o esquema das alturas das edificações é fazer uso da medida modular criada pelo Vastu purusha mandala. "A forma prática é primeiro pressupor a altura escolhida e convertê-la em módulos inteiros, não frações de módulo. Por exemplo, se o módulo tiver 3’6" (três pés e seis polegadas, aproximadamente 1,0668 metro) e a altura desejada for 10’0"(aproximadamente 3,048 metros), fica claro que será necessário tomar três módulos inteiros como medida, obtendo-se 10’6" (aproximadamente 3,2004 metros). Esta poderá ser a altura do chão até o telhado (se o telhado for plano) . O objetivo principal é que o interior da casa fique preenchido por espaços modulados ininterruptos. O volume da casa deve ser preenchido por espaços cubiculares o máximo possível sem mutilação. Cada cubo é um cubo de energia e som, cuja mutilação acarretará uma nota errada na composição da estrutura, conduzindo a doenças físicas."
Todos estes princípios, tomados como um todo, fornecem ao arquiteto uma matriz de projeto para a criação de edificações que vivem e vibram harmoniosamente com energias universais. Achei que são fáceis e agradáveis de usar. Estou convencido de que estas informações merecem ser estudadas e aplicadas por quem estiver interessado em compreender o significado e potencial pleno de abrigar o sistema nervoso humano.

11 agosto 2007

Os exilados de Capela.


Dentre os vários contingentes de exilados trazidos para o planeta Terra, o caso mais vivo em nossa memória espiritual, talvez por ter sido o mais recente, é o dos exilados provenientes do sistema de Capela.
Conforme nos relata Ramatis em "Mensagens do Astral", obra psicografada por Hercílio Maes, "...temos à disposição em nosso mundo, literatura mediúnica que cita muitos casos de espíritos expulsos de outros orbes para a Terra, em fases de seleção entre o "trigo e o joio" ou entre os "lobos e as ovelhas", fases essas pelas quais tereis em breve de passar, para higienização do vosso ambiente degradado. Entre os muitos casos de exílio que vosso mundo tem acolhido, ocorreram diversos casos isoladamente (em pequenos contingentes), e bem como emigrações em massa, como a proveniente do sistema de Capela, as quais constituíram no vosso mundo as civilizações dos chineses, hindus, hebraicos e egípcios, e ainda o tronco formativo dos árias. Esse o motivo por que, ao mesmo tempo que floresciam civilizações faustosas e se revelavam elevados conhecimentos de ciência e arte, desenvolvidos pelos exilados, os espíritos originais da Terra mourejavam sob o primitivismo de tribos acanhadas. Ombreando com o barro amassado, das cabanas rudimentares do homem terrícola, foram-se erguendo palácios, templos e túmulos faustosos, comprovando um conhecimento e poder evocado pelos exilados de outros planetas."
"No vosso mundo, esses enxotados de um paraíso planetário constituíram o tronco dos árias, descendendo dele os celtas, latinos, gregos e alguns ramos eslavos e germânicos; outros formaram a civilização épica dos hindus, predominando o gênero de castas que identificava a soberbia e o orgulho de um tipo psicológico exilado. As mentalidades mais avançadas constituíram a civilização egípcia, retratando na pedra viva a sua "Bíblia" suntuosa, enquanto a safra dos remanescentes, inquietos, indolentes e egocêntricos, no orbe original, fixou-se na Terra na figura do povo de Israel. Certa parte desses exilados propendeu para os primórdios da civilização chinesa, onde retrataram os exóticos costumes das corporações frias, impiedosas e impassivas do astral inferior, muito conhecidas como os "dragões" e as "serpentes vermelhas".
Segundo Edgar Armond na obra "Os Exilados da Capela", "esta humanidade atual foi constituída, em seus primórdios, por duas categorias de homens, a saber: uma retardada, que veio evoluindo lentamente através das formas rudimentares da vida terrena, pela seleção natural das espécies, ascendendo trabalhosamente da inconsciência para o Instinto e deste para a Razão; homens, vamos dizer autóctones, componentes das raças primitivas das quais os "primatas" foram o tipo anterior melhor definido; e outra categoria, composta de seres exilados da Capela, o belo orbe da constelação do Cocheiro a que já nos referimos, outro dos inumeráveis sistemas planetários que formam a portentosa, inconcebível e infinita criação universal."
"Esses milhões de advenas para aqui transferidos, eram detentores de conhecimentos mais amplos, e de entendimento mais dilatado, em relação aos habitantes da Terra e foram o elemento novo que arrastou a humanidade animalizada daqueles tempos para novos campos de atividade construtiva, para o aconchego da vida social e, sobretudo, deu-lhe as primeiras noções de espiritualidade e do conhecimento de uma divindade criadora."
"Essa permuta de populações entre orbes afins de um mesmo sistema sideral, e mesmo de sistemas diferentes, ocorre periodicamente, sucedendo sempre a expurgos de caráter seletivo; como também é fenômeno que se enquadra nas leis gerais da justiça e da sabedoria divinas, porque vem permitir reajustamentos oportunos, retomadas de equilíbrio, harmonia e continuidade de avanços evolutivos para as comunidades de espíritos habitantes dos diferentes mundos."
"Por outro lado é a misericordia divina que se manifesta, possibilitando a reciprocidade do auxílio, a permuta de ajuda e de conforto, o exercício enfim, da fraternidade para todos os seres da criação. Os escolhidos, neste caso, foram os habitantes de Capela que deviam ser dali expurgados por terem se tornado incompatíveis com os altos padrões de vida moral já atingidos pela evoluída humanidade daquele orbe."
"Mestres, condutores e líderes que então se tornaram das tribos primitivas, foram eles, os exilados, que definiram os novos rumos que a civilização tomou, conquanto sem completo êxito."
Vamos prosseguir neste tópico com informações trazidas por Emmanuel em "A Caminho da Luz", obra psicografada por Francisco Cândido Xavier, as quais nos proporcionam uma rápida idéia de como e em que regiões do planeta foram organizados os exilados provenientes de Capela.

O Sistema de Capela
Nos mapas zodiacais, que os astrônomos terrestres compulsam em seus estudos, observa-se desenhada uma grande estrela na Constelação do Cocheiro, que recebeu, na Terra, o nome de Cabra ou Capela. Magnífico sol entre os astros que nos são mais vizinhos, Capela é uma estrela inúmeras vezes maior que o nosso Sol e, se este fosse colocado em seu lugar, mal seria percebido por nós, à vista desarmada.
Na abóbada celeste está situada no hemisfério boreal, limitada pelas constelações da Girafa, Perseu e Lince; e quanto ao Zodíaco, sua posição é entre Gêminis, Perseu e Tauro. Na sua trajetória pelo Infinito, faz-se acompanhar, igualmente, da sua família de mundos, cantando as glórias do Ilimitado. A sua luz gasta cerca de 42 anos para chegar à face da Terra, considerndo-se, desse modo, a regular distância existente entre Capela e o nosso planeta, já que a luz percorre o espaço com a velocidade aproximada de 300.000 quilômetros por segundo.

Quase todos os mundos que lhe são dependentes já se purificaram física e moralmente, examinadas as condições de atraso moral da Terra, onde o homem se reconforta com as vísceras dos seus irmãos inferiores, como nas eras pré-históricas de sua existência, marcham uns contra os outros ao som de hinos guerreiros, desconhecendo os mais comezinhos princípios de fraternidade e pouco realizando em favor da extinção do egoísmo, da vaidade, do seu infeliz orgulho.


Um Mundo em Transições

Há muitos milênios, um dos orbes da Capela, que guarda muitas afinidades com o globo terrestre, atingira a culminância de um dos seus extraordinários ciclos evolutivos. As lutas finais de um longo aperfeiçoamento estavam delineadas, como ora acontece convosco, relativamente às transições esperadas no século XX, neste crepúsculo de civilização.
Alguns milhões de Espíritos rebeldes lá existiam, no caminho da evolução geral, dificultando a consolidação das penosas conquistas daqueles povos cheios de piedade e virtudes, mas uma ação de saneamento geral os alijaria daquela humanidade, que fizera jus à concórdia perpétua, para a edificação dos seus elevados trabalhos.
As grandes comunidades espirituais, diretoras do Cosmos, deliberam, então, localizar aquelas entidades, que se tornaram pertinazes no crime, aqui na Terra longínqua, onde aprenderiam a realizar, na dor e nos trabalhos penosos do seu ambiente, as grandes conquistas do coração e impulsionando, simultaneamente, o progresso dos seus irmãos inferiores.

Espíritos Exilados na Terra
Foi assim que Jesus recebeu, à luz do seu reino de amor e de justiça, aquela turba de seres sofredores e infelizes.
Com a sua palavra sábia e compassiva, exortou essas almas desventuradas à edificação da consciência pelo cumprimento dos deveres de solidariedade e de amor, no esforço regenerador de si mesmas. Mostrou-lhes os campos imensos de luta que se desdobravam na Terra, envolvendo-as no halo bendito da sua misericórdia e da sua caridade sem limites. Abençoou-lhes as lágrimas santificadoras, fazendo-lhes sentir os sagrados triunfos do futuro e prometendo-lhes a sua colaboração cotidiana e a sua vinda no porvir.
Aqueles seres angustiados e aflitos, que deixavam atrás de si todo um mundo de afetos, não obstante os seus corações empedernidos na prática do mal, seriam degredados na face obscura do planeta terestre; andariam desprezados na noite dos milênios da saudade e da amargura; reencarnariam no seio de raças ignorantes e primitivas, a lembrarem o paraíso perdido nos sofrimentos distantes. Por muitos séculos não veriam a suave luz da Capela, mas trabalhariam na Terra acariciados por Jesus e confortados na sua imensa misericórdia.

A Civilização Egípcia
Dentre os Espíritos degredados na Terra, os que constituíram a civilização egípcia foram os que mais se destacaram na prática do Bem e no culto da Verdade.
Aliás, importa considerar que eram eles os que menos débitos possuíam perante o tribunal da Justiça Divina. Em razão dos seus elevados patrimônios morais, guardavam no íntimo uma lembrança mais viva das experiências de sua pátria distante. Um único desejo os animava, que era trabalhar devotadamente para regressar, um dia, aos seus penates resplandecentes. Uma saudade torturante do céu foi a base de todas as suas organizações religiosas.
Em nenhuma civilização da Terra o culto da morte foi tão altamente desenvolvido. Em todos os corações a ansiedade de voltar ao orbe distante, ao qual se sentiam presos pelos mais santos afetos. Foi por esse motivo que, representando uma das mais belas e adiantadas civilizações de todos os tempos, as expressões do antigo Egito desapareceram para sempre do plano tangível do planeta. Depois de perpetuarem nas pirâmides os seus avançados conhecimentos, todos os Espíritos daquela região africana regressaram à pátria sideral.

A Ciência Secreta
Em virtude das circunstâncias mencionadas, os egípcios traziam consigo uma ciência que a evolução não comportava.
Aqueles grandes mestres da antiguidade foram, então, compelidos a recolher o acervo de suas tradições e de suas lembranças no ambiente reservado dos templos, mediante os mais terrríveis compromissos dos iniciados nos seus mistérios. Os conhecimentos profundos ficaram circunscritos ao círculo dos mais graduados sacerdotes da época, observando-se o máximo cuidado no problema da iniciação.
A própria Grécia, que aí buscou a alma de suas concepções cheias de poesia e beleza, através da iniciativa dos seus filhos mais eminentes, no passado longínquo, não recebeu toda a verdade das ciências misteriosas. Tanto é assim, que as iniciações no Egito se revestiam de experiências terríveis para o candidato à ciência da vida e da morte - fatos esses que, entre os gregos eram motivos de festas inesquecíveis.
Os sábios egípcios conheciam perfeitamente a inoportunidade das grandes revelações espirituais naquela fase do progresso terrestre; chegando de um mundo de cujas lutas, na oficina do aperfeiçoamento, haviam guardado as mais vivas recordações, os sacerdotes mais eminentes conheciam o roteiro que a Humanidade terrestre teria de realizar. aí residem os mistérios iniciáticos e a essencial importância que lhes era atribuída no ambiente dos sábios daquele tempo.

O Politeísmo Simbólico
Nos círculos esotéricos, onde pontificava a palavra esclarecida dos grandes mestres de então, sabia-se da existência do Deus Único e Absoluto, Pai de todas as criaturas e Providência de todos os seres, mas os sacerdotes conheciam, igualmente, a função dos Espíritos prepostos de Jesus, na execução de todas as leis físicas e sociais da existência planetária, em virtude das suas experiências pregressas.
Desse ambiente reservado de ensinamentos ocultos, partiu, então, a idéia politeísta dos numerosos deuses, que seriam os senhores da Terra e do Céu, do Homem e da Natureza.
As massas requeriam esse politeísmo simbólico, nas grandes festividades exteriores da religião.
Já os sacerdotes da época conheciam essa franqueza das almas jovens, de todos os tempos, satisfazendo-as com as expressões exotéricas de suas lições sublimadas.
Dessa idéia de homenagear as forças invisíveis que controlam os fenômenos naturais, classificando-as para o espírito das massas, na categoria dos deuses, é que nasceu a mitologia da Grécia, ao perfume das árvores e ao som das flautas dos pastores, em contato permanente com a Natureza.

O Culto da Morte e a Metempsicose
Um dos traços essenciais desse grande povo foi a preocupação insistente e constante da Morte. A sua vida era apenas um esforço para bem morrer. Seus papiros e afrescos estão cheios dos consoladores mistérios do além-túmulo.
Era natural. O grande povo dos faraós guardava a reminiscência do seu doloroso degredo na face obscura do mundo terreno. E tanto lhe doía semelhante humilhação, que, na lembrança do pretérito, criou a teoria da metempsicose, acreditando que a alma de um homem podia regressar ao corpo de um irracional, por determinação punitiva dos deuses. a metempsicose era o fruto da sua amarga impressão, a respeito do exílio penoso que lhe fora infligido no ambiente terrestre.
Inventou-se, desse modo, uma série de rituais e cerimônias para solenizar o regresso dos seus irmãos à pátria espiritual.
Os mistérios de Ísis e Osíris mais não eram que símbolos das forças espirituais que presidem aos fenômenos da morte.

Os Egípcios e as Ciências psíquicas
As ciências psíquicas da atualidade eram familiares aos magnos sacerdotes dos templos.
O destino e a comunicação dos mortos e a pluralidade das existências e dos mundos eram, para eles, problemas solucionados e conhecidos. O estudo de suas artes pictóricas positivam a veracidade destas noças afirmações. Num grande número de afrescos, apresenta-se o homem terrestre acompanhado do seu duplo espiritual. Os papiros nos falam de suas avançadas ciências nesse sentido, e, através deles, podem os egiptólogos modernos reconhecer que os iniciados sabiam da existência do corpo espiritual preexistente, que organiza o mundo das coisas e das formas. Seus conhecimentos, a respeito das energias solares com relação ao magnetismo humano, eram muito superiores aos da atualidade. Desses conhecimentos nasceram os processo de mumificação dos corpos, cujas fórmulas se perderam na indiferença e na inquietação dos outros povos.
Seus reis estavam tocados do mais alto grau de iniciação enfeixando nas mãos todos os poderes espirituais e todos os conhecimentos sagrados. É por isso que a sua desencarnação provocava a concentração mágica de todas as vontades, no sentido de cercar-lhes o túmulo de veneração e de supremo respeito. Esse amor não se traduzia, apenas, nos atos solenes da mumificação. Também o ambiente dos túmulos era santificado por estranho magnetismo. Os grandes diretores da raça, que faziam jus a semelhantes consagrações, eram considerados dignos de toda a paz no silêncio da morte.

As Pirâmides
A assistência carinhosa do Cristo não desamparou a marcha desse povo cheio de nobreza moral. Enviou-lhe auxiliares e mensageiros, inspirando-o nas suas realizações, que atravessaram todos os tempos provocando a admiração e o respeito da posteridade de todos os séculos.
Aquelas almas exiladas, que as mais interessantes características espirituais singularizam, conheceram, em tempo, que o seu degredo na Terra atingira o fim. Impulsionados pelas forças do Alto, os círculos iniciáticos sugerem a construção das grandes pirâmides, que ficariam como a sua mensagem eterna para as futuras civilizações do orbe. Esses grandiosos monumentos teriam duas finalidades simultâneas: representariam os mais sagrados templos de estudos e iniciação, ao mesmo tempo que constituiriam, para os pósteros, um livro do passado, com as mais singulares profecias em face das obscuridade do porvir.
Levantaram-se, dessarte, as grandes construções que assombraram a engenharia de todos os tempos. Todavia, não é o colosso de seus milhões de toneladas de pedra nem o esforço hercúleo do trabalho de sua justaposição o que mais empolga e impressiona a quantos contemplam esses monumentos. As pirâmides revelam os mais extraordinários conhecimentos daquele conjunto de Espíritos estudiosos das verdades da vida. A par desses conhecimentos, encontram-se ali os roteiros futuros da Humanidade terrestre. Cada medida tem a sua expressão simbólica, relativamente aos sistema cosmogônico do planeta e à sua posição no sistema solar. Ali está o meridiano ideal, que atravessa mais continentes e menos oceanos, e através do qual se pode calcular a extensão das terras habitáveis pelo homem, a distância aproximada entre o Sol e a Terra, a longitude percorrida pelo globo terrestre sobre a sua órbita no espaço de um dia, a precessão dos equinócios, bem como muitas outras conquistas científicas que somente agora vêm sendo consolidadas pela moderna astronomia.

Redenção
Depois dessa edificação extraordinária, os grandes iniciados do Egito voltam ao plano espiritual, no curso incessante dos séculos.
Com seu regresso aos mundos ditosos da Capela, vão desaparecendo os conhecimentos sagrados dos templos tebanos, que, por sua vez, os receberam dos grandes sacerdotes de Mênfis.
Aos mistérios de Ísis e de Osíris, sucedem-se os de Elêusis, naturalmente transformados nas iniciações da Grécia antiga.
Em algumas centenas de anos, reuniram-se de novo, nos planos espirituais, os antigos degredados, com a sagrada bênção do Cristo, seu patrono e salvador. A maioria regressa, então, ao sistema da Capela, onde os corações se reconfortam nos sagrados reencontros das suas afeições mais santas e mais puras, mas grande número desses Espíritos, estudiosos e abnegados, conservaram-se nas hostes de Jesus, obedecendo a sagrados imperativos do sentimento e, ao seu influxo divino, muitas vezes têm reencarnado na Terra, para desempenho de generosas e abençoadas missões.

A Índia
Dos Espíritos degredados no ambiente da Terra, os que se agruparam nas margens do Ganges foram os primeiros a formar os pródromos de uma sociedade organizada, cujos núcleos representariam a grande percentagem de ascendentes das coletividades do porvir.
As organizações hindus são de origem anterior à própria civilização egípcia e antecederam de muito os agrupamentos israelitas, de onde sairiam mais tarde personalidades notáveis como as de Abraão e Moisés.
As almas exiladas naquela parte do Oriente muito haviam recebido da misericórdia do Cristo, cuja palavra de amor e de cuja figura luminosa guardavam as mais comovedoras recordações, traduzidas na beleza dos Vedas e dos Upanishads. Foram elas as primeiras vozes da filosofia e da religião no mundo terestre, como provindo de uma raça de profetas, de mestres e iniciados, em cujas tradições iam beber a verdade os homens e os povos do porvir, salientando-se que também as suas escolas de pensamento guardavam os mistérios iniciáticos, com as mais sagradas tradições de respeito.

Os Arianos
Era na Índia de então que se reuniam os arianos puros, entre os quais cultivavam-se igualmente as lendas de um mundo perdido, no qual o povo hindu colocava as fontes de sua nobre origem. alguns acreditavam se tratasse do antigo continente da Lemúria, arrasado em parte pelas águas dos Oceanos Pacífico e Índico.
A realidade, porém, qual já vimos, é que, como os egípcios e os hindus eram um dos ramos da massa de proscritos da Capela, exilados no planeta. Deles descendem todos os povos arianos, que floreceram na Europa e hoje atingem um dos mais agudos períodos de transição na sua marcha evolutiva. O pensamento moderno é o descendente legítimo daquela grande raça de pensadores, que se organizou nas margens do Ganges, desde a aurora dos tempos terrestres, tanto que todas as línguas das raças brancas guardam as mais estreitas afinidades com o sânscrito, originário de sua formação e que constituía uma reminiscência da sua existência pregressa, em outros planos.

Os Mahatmas
Da região do Ganges partiram todos os elementos irresignados com a situação humilhante que o degredo na Terra lhes infligia. As arriscadas aventuras forneceriam uma noção de vida nova e aqueles seres revoltados supunham encontrar o esquecimento de sua posição nas paisagens renovadas dos caminhos; lá ficaram, apenas, as almas resignadas e crentes nos poderes espirituais que as conduziriam de novo às magnificências dos seus paraísos perdidos e distantes.
Os cânticos dos Vedas são bem uma glorificação da fé e da esperança, em face da Majestade Suprema do Senhor do Universo. A faculdade de tolerar, e esperar, aflorou no sentimento coletivo das multidões, que suportaram heroicamente todas as dores e aguardaram o momento sublime da redenção. Os "mahatmas" (grandes almas) criaram um ambiente de tamanha grandeza espiritual para seu povo, que, ainda hoje, nenhum estrangeiro visita a terra sagrada da Índia sem de lá trazer as mais profundas impressões acerca de sua atmosfera psíquica. Eles deixaram também, ao mundo, as suas mensagens de amor, de esperança e de estoicismo resignado, salientando-se que quase todos os grandes vultos do passado humano, progenitores do pensamento contemporâneo, deles aprenderam as lições mais sublimes.

http://www.geocities.com/Area51/Quasar/1019/TInicia.htm

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...