11 junho 2007

Chacras e Cura Psiquica



Autor: Wagner Borges

Há traumas que estão gravados na psique, de forma inconsciente, mas ativa, causando bloqueios e fobias. Isso ocorre no corpo sutil e se reflete no corpo denso.
Os chacras guardam informações preciosas sobre esse processo. Cada um deles é um pequeno Portal psíquico e energético, refletindo as condições do Ser.
Existem diversas alternativas para tratar essas síndromes psíquicas:
- Visualizações criativas, terapias descondicionantes, tratamentos psíquicos adequados, meditações, conversas profundas com terapeutas corretos - com a abordagem mais adequada ao temperamento da pessoa -, rituais de quebra do passado, técnicas retrocognitivas - regressões de memória -, ou práticas espiritualistas - xamânicas, naturalistas, animistas, mediúnicas, iogues e outras em que a pessoa se sentir bem.
O que não se pode fazer é deixar o problema de lado, pois os bloqueios interferem diretamente na vida da pessoa. É Preciso correr atrás de soluções para devolver o brilho dos olhos e o tesão de viver.
No entanto, por melhor que seja o caminho escolhido nessa busca pela cura, o processo é sempre dentro da psique da própria pessoa. A cura reside nela mesma.
Técnicas e terapias são ferramentas de fora; ajudam muito, principalmente em momentos de crises. Mas são alternativas de fora e valem como meio para se chegar ao verdadeiro alvo: a própria psique.
Uma das técnicas alternativas sugeridas pelos sábios espirituais da antiga Índia é o mergulho consciente nos chacras. Entrar psiquicamente neles, de um em um, desde a base da coluna até o centro coronário, no alto da cabeça.
Considerar cada Chacra como um Portal sagrado em si mesmo. Entrar por eles com respeito e admiração, como se entra num templo espiritual. Com amor e paciência, orar dentro de cada um deles. Procurar localizar qual é a fonte do problema e saber calcular qual é o Chacra a ser trabalhado mais especificamente na cura em questão.

Por exemplo: bloqueio sexual: Chacra sexual. / bloqueio afetivo: Chacra cardíaco. / bloqueio de expressão: Chacra laríngeo; e assim por diante.
Há casos em que mais de um Chacra estão envolvidos; por isso é bom trabalhar todos regularmente, da melhor forma que a pessoa se adequar e se sentir bem. O mportante é entrar neles com amor e paciência. Nada ocorre do acaso ou sem trabalho. Tudo demanda tempo e esforço. É necessário constância e qualidade no trato com as energias sutis.

Não é apenas encher os chacras de luz ou cores, ou mesmo realizar alguma técnica bioenergética; é preciso trabalhar a parte psíquica também!
Sem amor não há cura; sem transformação não há alquimia alguma.
Da base da coluna até o topo da cabeça, de um em um, enchendo os mesmos de luz e orando ao Amor Que Ama Sem Nome, com modéstia, lucidez e alegria serena.
Paciência na jornada. Ou, melhor dizendo, essa é a arte da "PAZ-CIÊNCIA".

Obs.: Pessoas em tratamento não devem abandonar seus medicamentos ou
terapias por causa do trabalho com os chacras. Nos momentos de crise,
procure ajuda qualificada. Esse trabalho sugerido aqui é para aqueles que
queiram colaborar no próprio processo de cura. Conhecer um pouco de si mesmo
é sempre bom. Ajuda em qualquer coisa, desde que realizado com discernimento e consciência das coisas*.

Nota: * Enquanto digitava essas linhas, lembrei-me de um excelente texto dos sábios mentores espirituais Rama e Ramatís, em que eles falam sobre esse mesmo tema.
Reproduzo o mesmo na seqüência.

Veículos da alma

Os antigos ocultistas costumavam utilizar uma analogia bastante interessante para simbolizar a inter-relação energética dos veículos de manifestação da consciência (os corpos energéticos do homem).
Utilizando-se de um método esotérico denominado de "analogia dos contrários" baseado na "lei dos ternários" (composição musical de três tempos iguais),esses iniciados do passado representavam esotericamente o corpo astral como um cavalo atrelado a uma carroça, que, por sua vez, é controlada e conduzida pelo cocheiro.
Nessa analogia ocultista, podemos confeccionar o seguinte quadro de idéias:
A carroça é o corpo físico.
O cavalo, fogoso e impulsivo, é o corpo astral com as suas paixões.
O cocheiro é o corpo mental, sede da consciência, que tem por obrigação guiar o cavalo, para que ele puxe a carroça adequadamente até o lugar de destino.
Se aplicarmos este esquema ocultista no estudo dos corpos energéticos do ser humano, podemos fazer uma associação de idéias bastante interessante, exposta da seguinte maneira: normalmente, durante a vigília física, o corpo astral, interpenetrado no corpo físico, sofre uma redução do padrão vibratório de suas partículas energéticas.

Quando uma pessoa se descontrola emocionalmente, há um desarranjo na vibração dessas partículas energéticas astrais, o que acarreta uma certa turbulência energética" no sistema nervoso, pois o duplo etérico (matriz energética do cordão de prata), que é o filtro energético entre o corpo astral e o corpo físico, absorve toda essa descarga astral-emocional para dentro de seus vórtices vibratórios, denominados de "chacras", que, por sua vez, descarregam todo o fluxo energético no conduto espinal, nos plexos nervosos e nas glândulas endócrinas. Isso ocasiona sérios transtornos no camp0 energético, que, na tentativa de exaurir a carga deletéria vinda do corpo astral, termina por amortecer a própria vibração, criando assim,intensos bloqueios energéticos que enredam demasiadamente o ser espiritual na carne.
É óbvio que numa situação dessas não há como existir um bom progresso na senda espiritual". É imprescindível que haja um ótimo controle mental para dominar as descargas emocionais que emanam do corpo astral.
Pois foi baseando-se nisso que os antigos ocultistas criaram o seu sistema analógico de idéias, que pode ser bem simples na aparência, mas é dotado de um poder de síntese impressionante. Podemos mostrar isso do seguinte modo:
Se o cavalo (corpo astral) descontrolar-se e sair do domínio do cocheiro (corpo mental), pode acabar levando a carruagem (corpo físico) para fora da estrada e mergulhar no fundo do abismo.
O intermediário entre o cocheiro (corpo mental) e o cavalo (corpo astral) são as rédeas, que representam esotericamente o cordão de ouro (laço energético sutil que prende o corpo mental no corpo astral).
O cavalo (corpo astral) está conectado à carroça (corpo físico) por meio de arreios e cordas, que representam esotericamente o cordão de prata (laço energético denso que conecta o corpo astral ao corpo físico).
Logo, resumindo todas essas idéias, podemos dizer que o condutor (corpo mental) consciente é aquele que, através da vontade firme, forjada na mais pura disciplina espiritual, domina com a inteligência e os bons sentimentos o "fogo emocional" do seu cavalo (corpo astral) e conduz a sua carruagem (corpo físico) com estabilidade até o seu destino glorioso, a "estação da consciência imortal".

- Rama -

* * *

Ao finalizar este trabalho, no qual muito se falou do corpo astral, que em algumas ordens esotéricas é chamado apropriadamente de "corpo emocional" ou corpo dos desejos", não podemos deixar de assinalar que qualquer descarga emocional afeta diretamente os chacras submetidos à área emocional, a saber: os chacras umbilical, cardíaco e laríngeo.
Dependendo da freqüência e da intensidade com que esses chacras são agredidos pelo desequilíbrio emocional, formam-se, na "placa astral-peitoral da pessoa, bloqueios energéticos bastante densificados que impedem a livre circulação das energias vitais nessa região. O efeito disso é a proliferação de sintomas, tais como: taquicardia, tosse, pressão no peito, angústia, ou depressão sem motivo, peso nas costas, irritação sem motivo, respiração opressa, vontade de chorar sem motivo e desvitalização geral.
Levando-se em consideração esse quadro patológico "astral-físico", podemos dizer que as pessoas desequilibradas emocionalmente são portadoras de "mofo espiritual" dentro do peito. Ou, como mostra a tradição ocultista, tem um cavalo louco" (corpo astral) quebrando a carroça (corpo físico).
É necessário então, uma "catarse espiritual" ou um desbloqueio emocional, que consiste em uma "lavagem energética" da placa astral-peitoral da pessoa,removendo, por meio de um fluxo energético positivo, os "fungos psíquicos"aderidos ao campo emocional.
Na área espiritualista existem "ótimos remédios" contra a proliferação dos fungos emocionais". São eles:

- concentração;

- meditação;

- ativação dos chacras;

- exercícios de ativação energética.

Porém, sem dúvida que o melhor remédio contra qualquer distúrbio emocional é a "PAZ" no coração e a "LUZ" nas idéias.
Paz e Luz!

- Ramatís -

- Texto recebidos espiritualmente por Wagner Borges - Extraídos do livro
Viagem Espiritual- I" - editora Universalista - 1993.


Chacras e cura psiquica II

"Cada chacra** é uma janela para o invisível; um verdadeiro portal psicofísico que, freqüentemente, troca energias com outros planos de manifestação.

O chacra do topo de cabeça - chamado de chacra da coroa - é uma verdadeira festa de luz! É o centro energético que está ligado com a expansão da consciência e a multidimensionalidade.
É o chacra que sinaliza o caminho da evolução sideral; aponta para outras etapas do desenvolvimento do homem, para as estrelas e para o infinito, que começa a se esboçar no topo da cabeça, através das idéias maiores que surgem pelo contato excelente com outras consciências que já vivem esse momento infinito.
É o centro pelo qual vêm às idéias avançadas e o contato com seres que não têm mais a forma humanóide. É a bússola espiritual na navegação sideral, que sinaliza a direção evolutiva do homem para outros orbes e para outras estrelas.
É o chacra que liga a consciência humana com a Consciência Universal!

O chacra da testa - frontal - é o centro da responsabilidade, pelo qual se aprende e se guarda na memória as informações.
É o chacra da visão espiritual, da intuição, da percepção, do conhecimento e da síntese intelectual. Ao mesmo tempo, é o chacra que suaviza a energia dos olhos.
É, por excelência, um sol na testa! E, suavemente, irradia luz para dentro dos olhos e é capaz de descansar a mente.
Porém, nos dias atuais, é um chacra sobrecarregado de tensões, pensamentos e excessos, funcionando de forma muito acelerada. No entanto, essa aceleração é artificial, motivada pelas luzes transitórias do mundo e pelo conhecimento parcial das coisas.
É necessário pensar no centro frontal, também, como um centro de descanso da mente, como um sol, que não apenas pulsa de dentro para fora, mas também para dentro dos olhos, para limpar a tela mental e suavizar a mente.
Esse chacra é capaz de carinho profundo!

O chacra da garganta - laríngeo - é, por excelência, o centro da comunicação e da mediunidade. É o centro artístico da expressão!
Está ligado à sensibilidade mediúnica, que capta a criatividade vinda de outros planos e de outras consciências.
Como é o centro da comunicação, sofre toda a repercussão da mesma. E, como é um centro situado entre a cabeça e o peito, sofre repercussão dos outros centros, constantemente. Por isso os grandes iniciados sempre ensinaram sobre o silêncio, para manter esse centro conservado. Aquele silêncio que capta a criatividade e melhora a expressão.
Esse é outro centro sobrecarregado pela correria do mundo moderno e pela
necessidade premente de estar acelerado.
A visualização de uma jóia incrustada no centro laríngeo favorece o descanso desse centro; favorece a meditação suave e seu equilíbrio energético.

O centro peitoral - chacra cardíaco - é, por excelência, o canal de toda transformação afetiva, em que o homem instintivo se transforma em espiritual
É o centro alquímico verdadeiro!
A verdadeira transformação ocorre no centro cardíaco. Todo amor, toda qualidade afetiva, todo abraço, todo idealismo por algo melhor está no chacra do coração. Toda cura, todo toque terapêutico, e toda assistência espiritual vibra nesse centro. Inclusive, é um chacra capaz de abraçar humanidades situadas em outros orbes.
É o centro que dissolve o egoísmo e o bairrismo planetário - o racismo, os preconceitos sexuais, sociais, econômicos e de qualquer espécie. Esse centro é um sol peitoral que jamais poderá ser envenenado pelas péssimas vibrações da vingança. O ódio gera uma energia viscosa e escura, que adere no centro cardíaco como uma espécie de 'piche consciencial'. Jamais permitam desejos de vingança acalentados! Por mais ocultos que eles estejam, são observados extrafisicamente. O sol peitoral não pode sernublado pelas nuvens do ódio nem envenenado por maledicência alguma.

O centro abdominal - chacra umbilical - é, por excelência, o centro das emoções densas, misturadas com o processo da alimentação normal.
É um centro de grande vitalidade!
Também é altamente sobrecarregado pela tensão emocional. Porém, é um centro terno e suave para quem souber trabalhar com ele; para quem imaginar um sol umbilical! É como um sol suave e generoso, que vai se expandindo, não pela força, mas pelo sentimento, pela generosidade, que não está apenas no centro peitoral, também flui no centro umbilical, apaziguando os órgãos abdominais, toda a região da cintura e das costas e equilibrando as emoções mais densas.
É um centro de grande capacidade ectoplásmica!
E tem alta ressonância com as energias dos vegetais, com as energias do mar e do vento e com as energias da natureza em geral.
A energia verde é excelente para este centro - o verde esmeralda; o verde da natureza!

O centro sexual - chamado de chacra sacro - é, por excelência, o centro da reprodução. Também é o centro que traz toda a sensação corporal de calor ou de frio, através da pele. É o centro do prazer!
É também um centro altamente sobrecarregado, seja pela repressão sexual, ou por sua exacerbação.
É necessário visualizar um sol no baixo ventre - um sol branco, o mais brilhante possível -, para que limpe as formas mentais aderidas, não somente desta vida, mas de outras também, e de uma eventual sexualidade mal resolvida.

O centro da base da coluna - chacra básico - é a sede dos desejos mais densos.
Muitas vezes, esse chacra é como se fosse um menino. Ora, cheio de explosões emocionais em relação aos valores da terra; ora, tímido, com medo desses mesmos valores e da própria vida.
É um chacra muitas vezes minimizado em sua importância, por ser um centro que está na parte inferior do corpo. Entretanto, é um verdadeiro sol que sustenta o equilíbrio do corpo! E carrega o sangue de energia - a força vital planetária.

Nenhum dos sete centros pode ser menosprezado. Cada um tem a sua importância
no contexto vital do Ser. Desde a base da coluna até o topo da cabeça, deve
haver harmonia.
A base da coluna vibra, por excelência, na cor dourada - que é capaz de estabilizar o vermelho denso que vem da terra - harmonizando as outras energias e mantendo o equilíbrio do soma saudável.
Os centros secundários têm relativa importância - como os centros energéticos dos pés -, por onde entra a energia planetária. Esses pés, que sustentam o equilíbrio do corpo e que seguram, muitas vezes, a tensão e o cansaço corporal, por todo um dia.
É necessário acender os chacras das plantas dos pés, como dois sóis branco-fluorescentes pulsando suavemente e dando-lhes a devida atenção - tratando os pés com respeito, amor e agradecimento.
Os chacras das palmas das mãos são centros, por excelência, do toque, da cura e da gesticulação, expressando idéias e sentimentos. São excelentes para dispersão de energias pesadas em torno, através dos diversos métodos de manipulação manual da energia.
Desde as plantas dos pés ao alto da cabeça, o mesmo ser brilhante, com todos os centros potencializados pela força da vontade, pela disciplina perene e pela consciência que trabalha.
Os chacras são centros de força vital!
Por eles, são feitas leituras psíquicas e espirituais. Neles, seres de
outros planos lêem tudo aquilo que vai dentro das energias de alguém. Seres
que se apresentam com formas só de luz, sem a limitação da forma humanóide,
quando observam o ser humano, como no presente momento, o fazem por esses
chacras. Eles não observam a forma humana, mas os chacras!
Os centros inferiores estão ligados a Terra: agradeça ao planeta, por hospedá-lo por mais uma vida!
Os centros superiores estão ligados ao Cosmos, ao qual se agradece toda a amplitude e novas oportunidades de conhecimento futuro.
O homem está entre o Céu e a Terra. É um elemento híbrido: veio das estrelas mas ocupa um invólucro terrestre. Tem as duas naturezas em si mesmo: é filho da terra e é filho do espaço!
Deve saudar sua Mãe-Terra; deve saudar o Pai-Espaço! Tudo isso dentro do próprio coração."

"Nenhum iniciado sadio foi contra o exercício da mediunidade nos tempos antigos. O que sempre se alertou foi sobre o contato inquieto e aflitivo com as entidades extrafísicas dramáticas e trevosas.
E, conhecendo o ser humano e seus apegos, é mais do que certo que contatos elevados não se darão facilmente; não enquanto o ser humano não transcender os limites dos sentidos e das emoções grossas.
Se o contato for através de perspectivas avançadas, nada poderá se interpor entre as consciências. Mas que esse contato seja por objetivos nobres e que, inclusive, realize trabalhos de assistência espiritual no processo.
Que não seja um contato por curiosidade ou por mediocridade. Que seja de consciência a consciência. Ou, como diziam os antigos mestres: de coração dourado a coração dourado... Para que tudo brilhe!
Na Terra ou no Espaço, que tudo brilhe!
E que os homens, da Terra ou do Espaço, sejam felizes!
Tanto os que estão na carne, quanto os que estão fora dela."

- Os Iniciados -

(Recebido espiritualmente por Wagner Borges - São Paulo, 13 de dezembro de
2006.)


- Nota de Wagner Borges: Esses escritos são a transcrição de gravações de
mensagens psicofônicas recebidas dos amparadores extrafísicos, durante uma
reunião do grupo de estudos e assistência espiritual do IPPB.

- Nota:

* Chacras - do sânscrito - são os centros de força situados no corpo energético e que tem como função principal a absorção de energia - prana, chi - do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico.
Além disso, servem de ponte energética entre o corpo espiritual e o corpo físico.
Os principais chacras são sete - que estão conectados com as sete glândulas que compõe o sistema endócrino: coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, umbilical, sexual e básico. Suas características básicas são as seguintes:

- Chacra Coronário - é o centro de força situado no topo da cabeça, por onde entram as energias celestes. É o chacra responsável pela expansão da consciência e pela captação das idéias elevadas. É também chamado de chacra da coroa. Em sânscrito o seu nome é "Sahashara", o lótus das mil pétalas. Está ligado à glândula pineal.
Obs.: a pineal: é a glândula mais alta do sistema endócrino, situada bem no centro da cabeça, logo abaixo dos dois hemisférios cerebrais. Essa glândula está ligada ao chacra coronário, que, por sua vez, se abre no topo da cabeça mas tem a sua raiz energética situada dentro dela. Devido a essa ligação sutil, a pineal - também chamada de "epífise" - é o ponto de ligação das energias superiores no corpo denso e, por extensão, tem muita importância nos fenômenos anímico-mediúnicos, incluindo nisso as projeções da consciência para fora do corpo físico.

- Chacra Frontal - é o centro de força situado na área da glabela, no espaço espiritual interno da testa. Está ligado à glândula hipófise - pituitária - e tem relação direta com os diversos fenômenos de clarividência, intuição e percepções parapsíquicas. É o chacra da aprendizagem e do conhecimento. Em sânscrito ele é conhecido como "Ajna", o centro de comando.

- Chacra Laríngeo - é o centro de força situado em frente da garganta. É o responsável pela energização da boca, garganta e órgãos respiratórios. Está ligado à glândula tireóide. Bem desenvolvido, facilita a psicofonia e a clariaudiência. É considerado também como um filtro energético que bloqueia as energias emocionais, para que elas não cheguem até os chacras da cabeça.
É o chacra responsável pela expressão criativa - comunicação - do ser humano no mundo. O seu nome em sânscrito é "Vishudda", o purificador.

- Chacra Cardíaco - é o centro de força responsável pela energização do sistema cárdio-respiratório. É considerado o canal de movimentação dos sentimentos. Por isso é o chacra mais afetado pelo desequilíbrio emocional. Bem desenvolvido, torna-se um canal de amor para o trabalho de assistência
espiritual. Está ligado à glândula timo. O seu nome em sânscrito é "Anahata"o inviolável, o invicto, o som sutil do espírito imperecível.

- Chacra Umbilical - é o centro de força abdominal, responsável pela energização do sistema digestório. Está ligado à glândula pâncreas. É considerado o chacra das emoções inferiores. Quando está bloqueado, causa
enjôo, medo ou irritação. Bem desenvolvido, facilita a percepção das energias ambientais. É chamado em sânscrito de "Manipura", a cidade das jóias.

- Chacra Sexual - é o centro de força responsável pela energização dos órgãos sexuais. Está ligado às gônadas - glândulas de reprodução - testículos no homem; ovários na mulher. Quando está bloqueado, causa
impotência sexual ou desânimo. Quando super-excitado, causa intenso desejo sexual. Bem desenvolvido, estimula o melhor funcionamento dos outros chacras e ajuda no despertar da kundalini. É o chacra da troca sexual e da alegria.
O seu nome em sânscrito é "Swadhistana", a morada do eu - ou morada do sol; ou a morada do prazer.

- Chacra Básico - é o centro de força situado na área da base da coluna. É o responsável pela absorção da energia telúrica e pelo estímulo direto da energia no corpo e na circulação do sangue. Está ligado às glândulas supra-renais e tem relação direta com os fenômenos bionergéticos e parapsíquicos oriundos da ativação da kundalini. O seu nome em sânscrito é Muladhara", a base e fundamento do corpo.

Obs.: Aqui não estão relacionados os chacras secundários, incluindo nisso o
chacra esplênico, em cima do baço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...