22 maio 2016

Auto-Investigação, a Ciência da Auto-Realização.


Sri Ramana Maharshi
De acordo com o Advaita Vedanta*, a ciência da auto-realização (o que chamamos de auto-investigação), requer uma abordagem diferente daquela das ciências envolvidas na descoberta das complexidades do Universo. Ambas as abordagens são similares, de uma forma em que a nossa consciência, com atenção concentrada e conhecimento, é usada como um instrumento de percepção para ganhar conhecimento.
        Ciências, envolvendo a exploração do universo e suas leis focalizam a atenção para fora a objetos percebidos (tempo, espaço, matéria, as leis do movimento, gravidade, massa, etc) para determinar sua natureza. Quando a atenção e a consciência estão focados em analisar, as relações entre os vários objetos, de acordo com leis universais, se torna claro. Isto é devido ao poder inerente da consciência em descobrir e dar a conhecer a si mesma qualquer coisa que chame a atenção para si. É assim que as ciências (Matemática, Física, Medicina, etc) avançam.
       No entanto, um limite teórico para a compreensão fenômenos objetivos está sempre presente, na medida em que os fenômenos observados baseiam-se sempre na própria natureza do observador. Não está claro como exatamente a relação entre o sujeito e o objeto, pode ser determinada cientificamente. Filosoficamente, isto é devido à dificuldade lógica de separar o sujeito do objeto, demonstrando a sua independência.

       A Ciência do Eu (Self), no entanto, é uma mudança radical em relação às ciências físicas e tem um objetivo diferente. Aqui a atenção é dirigida para dentro  e não para os objetos percebidos. A metodologia clássica dada por Sri Ramana Maharshi para a auto-investigação é perguntar a si mesmo com atenção a indagação: "Quem sou eu?" Isso é feito, a fim de introverter a mente e conduzi-la mais profundamente em direção à sua fonte. Em auto-investigação, a qualidade da própria consciência se torna o centro das atenções. Neste método, a consciência não está focada em nenhum lugar ou em outra coisa, senão em si mesma.
       A linguagem não é perfeita, mas existem muitas maneiras de dizer isso. A atenção voltada para a atenção em si é auto-investigação. A consciência se tornar auto-focada é a auto-investigação. A mente se voltando para dentro, para a sua fonte é a auto-investigação. Consciência consciente de si mesma é a auto-investigação. Todos estas são variações do mesmo processo, e referem-se basicamente à mesma coisa. Essas declarações indicam que devemos acatar tranquilamente nosso próprio senso de identidade estando em plena consciência.
        Esta não é uma noção fácil de compreender. A metodologia de auto-investigação não apresenta ao aspirante uma imagem ou um som para se concentrar. Porque somos tão dependentes de nossos sentidos da audição e da visão até mesmo para meditação e oração, a auto-investigação representa um desafio. Muitas vezes, as pessoas acham difícil saber em que se focar em fazer a auto-investigação, porque associam fortemente sua identidade e sua consciência  com o seu corpo.
      É por isso que Sri Ramana dizia que a auto-investigação não é para todos assumirem imediatamente. Tenho observado esse fenômeno com cuidado por um longo tempo. As pessoas acham yoga, meditação, tantra, chakras, kundalini e métodos muito mais interessantes e emocionantes para falar e praticar, do que a auto-investigação. É porque todos esses sistemas de Yoga estão direta ou indiretamente baseadas em produzir alterações que possam ser experimentadas no corpo físico ou nos corpos sutis.
      Consumo de experiência em alguma forma ou de outra, é natural para todos os seres vivos. A auto-investigação aponta, no entanto, para o sujeito, aquele que experimenta. Qual é a natureza daquele que experimenta? A auto-investigação desloca nossa atenção da experiência para o experimentador. Quem é aquele que percebe e experimenta a realidade?
       As práticas da meditação e yoga levam a mente a retirar temporariamente os sentidos de percepção dos objetos. No entanto, as percepções internas em estados de meditação ou Samadhi provavelmente ainda persistem. Estas percepções internas podem se manifestar de várias maneiras, incluindo visões de anjos, santos e sábios, ou a Deusa. Vários símbolos espirituais e religiosos, muitas vezes aparecem espontaneamente ao olho mental do aspirante durante a meditação ou oração contemplativa e pode haver também experiências de estados de sonho lúcido. Assim, mesmo nos estados mais elevados de meditação, a distinção entre o sujeito e os objetos da percepção continua, nos envolvendo em e consumir uma experiência após a outra.
       A auto-investigação, por outro lado, é considerada chata e irrelevante por muitas pessoas, pois não lhes promete nenhuma experiência especial para desfrutar, além do sentido de ser seu próprio eu. As pessoas devem sempre fazer o que lhes parece natural. Nada deve ser forçado.
       Eventualmente, com a prática da meditação e outros tipos de yogas, a mente se torna mais sutil. A compreensão da natureza da consciência como livre da percepção exterior (de objetos físicos), bem como percepções internas (sonhos, visões, outras experiências mentais) pode, então, começar a surgir. Uma vez que a natureza independente da consciência (livre de todas as percepções) é entendida, pode-se então reconhecer a qualidade essencial da existência, simplesmente ser, em meio de várias experiências.
      Quando toda atenção / consciência se torna autofocada, isto é chamado de auto-investigação. Quando a atenção ilumina a atenção, a sensibilidade ilumina a sensibilidade a consciência ilumina a consciência, o eu se realiza como Sat-Chit-Ananda*, o objetivo final, o âmago do ser. Sri Ramana chamou-lhe simplesmente o Coração, cuja natureza é a do silêncio que está além de toda compreensão.

Dr. Harsh K. Luthar

Tradução: Mick Bernard

*Advaita Vedanta é uma das três escolas de Vedanta do pensamento monista hindu.
A palavra Vedanta vem de "Vedas - livros sagrados da antiga Índia" e "anta - final", ou seja, é a culminação dos Vedas, a parte final e mais avançada dos Vedas. Há ainda um outra possibilidade de entendimento para o termo, significando a associação de textos complementares "ao final" do corpo principal dos Vedas. Os textos complementares em questão seriam as Upanishads.
Advaita literalmente significa "não dois", não dual; é um sistema filosófico que sustenta a não realidade, ou ilusão, de tudo aquilo que não seja a Consciência Suprema, Eterna e Infinita (Brahman). Seu consolidador foi Shankara (788-820). Shankara expôs suas teorias baseadas amplamente nos ensinamentos dos Upanishads e de seu guru Gaudapada. Através da análise da consciência experimental, ele expôs a natureza relativa do mundo e estabeleceu a realidade não dual ou Brahman, na qual Atman (a alma individual) ou Brahman (a realidade última) são absolutamente identificadas. Não é meramente uma filosofia, mas um sistema consciente de éticas aplicadas e meditação, direcionadas à obtenção da paz e compreensão da verdade. Adi Shankara acusou as castas e seus rituais de insignificantes e tolos, e em sua própria maneira carismática, suplicou aos verdadeiros devotos a meditarem no amor de Deus e alcançarem a verdade.


*Sat-Chit-Ananda - Sat: "O Ser" - Chit: "Consciência" - Ananda: "Bem-Aventurança".
É um mantra muito utilizado pelos iogues. Significa que o atman (essência divina, espírito) está consciente e tem a nítida percepção cósmica de que está completamente permeado pela onipresença de Brahman no centro do coração espiritual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...